Policias federais mobilizam Brasília em passeata pela valorização da segurança pública

Categoria também convocou assembleias para debater o aumento salarial proposto pelo governo

A polícia federal participou, nesta quarta-feira (21), em Brasília, da marcha organizada pela polícia federal e civil com o objetivo cobrar dos governos uma política nacional de segurança pública. Ao todo, 14 Estados aderiram à manifestação.

Segundo Flávio Werneck, vice-presidente da CSB, diretor da Fenapef e presidente do Sindipol-DF, a mobilização é uma forma de mostrar para a sociedade e para o governo a insatisfação que as policias têm com a atual política de segurança pública. “Atualmente, 90% dos crimes que acontecem no Brasil não são solucionados. A impunidade é um dos principais fatores para o alto índice de criminalidade. É preciso que haja uma mudança no código penal brasileiro e também que seja alterada a forma de se investigar crimes no País. É possível transformar o Brasil em local seguro, só precisamos de boa vontade”, avalia.

DSC_0010

Para o presidente do Sindicato dos Policiais Federais de São Paulo (SINDPOLF-SP), Alexandre Sally, é necessário sensibilizar o governo sobre a grave situação da segurança pública brasileira.  Para o dirigente, não há estrutura pública e nem privada que garanta a segurança do cidadão. “Entre os direitos que devem ser tutelados pelo Estado, a proteção à vida é, por definição, o mais relevante. Por isso, a segurança pública deveria ocupar um lugar central nos debates políticos. Mas não é o que acontece hoje no Brasil. A sociedade precisa saber que os policias não compactuam com essa política permissiva ”, disse.

Além disso, a Polícia Federal também convocou para mesma data assembleias nos 27 sindicatos espalhados pelo Brasil para discutir a proposta, feita pelo governo federal, de aumento salarial da categoria. “Nós não queremos prejudicar a sociedade e nem interromper  os serviços essenciais. Queremos melhores condições de trabalho e uma sociedade mais segura. Quem vem prejudicando os trabalhos da PF é o governo, que tem escalado poucos servidores e também precarizado o trabalho”, afirmou Werneck.

O governo federal ofereceu um aumento de 12% agora e de mais 3,8% em janeiro de 2015. A categoria luta pela recomposição inflacionária nos salários dos últimos sete anos e pela criação de um projeto de lei que estabeleça as atribuições dos agentes federais. “Reivindicamos a reposição inflacionária, pois os salários estão congelados há sete anos. Também queremos que se faça um rol de atribuições dos policiais federais em um projeto de lei, porque hoje não há definição sobre o que os policiais devem fazer. Queremos que seja criado um plano de carreia”, explicou  o dirigente.  Os policiais federais também pedem que o governo  inclua a anistia aos policiais federais  grevistas que respondem, na instituição, a processos administrativos desde a greve de 2012.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)