photo_not1252-e1435241555977

Plano do governo quer recuperar dinamismo de exportações brasileiras

A estimativa é da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad)

Países em desenvolvimento perdem US$ 100 bilhões de receita por ano por causa da decisão de multinacionais de fazer investimento direto estrangeiro (IDE) através de paraísos fiscais e não diretamente nessas economias. A estimativa é da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad), em relatório anual sobre investimentos globais, no qual reforça a iniciativa em discussão no G-20 contra a evasão fiscal das multinacionais.

O relatório menciona complexos esquemas financeiros usados por empresas estrangeiras, incluindo manipulação de preços de transferência sobre intangíveis (royalties e taxas de licenças), gerando divergência entre o valor criado e onde o imposto é pago.

Segundo a Unctad, muitas empresas associam seu IDE com dívidas em intermediários em paraísos fiscais, afim de reduzir o pagamento de imposto no pais onde instalou filial. Certas operações de aquisição e fusão, com a venda de ativos através de um paraíso fiscal, também ajudam a diminuir a taxação ou ganhos de capital.

A agência conclui que dez pontos percentuais de IDE feito através de offshore em países em desenvolvimento resultam na declaração, pela empresa estrangeira, de lucro 1% menor e, portanto, menos pagamento de imposto no pais onde opera.

Em 2012, de um estoque de US$ 21 trilhões de IDE, US$ 6,5 trilhões tinham sido realizados através de offshore. Na América Latina, a preferência é fazer investimento através de antigas colônias holandesas antes de alcançar o destino como ativo produtivo. Na África, as multinacionais s usam Ilhas Mauricio, enquanto as Ilhas Virgens Britânicas são a referencia para investimento na Ásia. Chipre tem a preferência dos russos.

A parte do IDE feita por meio de offshores representa 27% do total investido na América Latina. A Unctad estima que a contribuição de filiais estrangeiras de múltis nos orçamentos dos governos em países em desenvolvimento alcança US$ 730 bilhões anualmente, em média. Na América Latina, esse valor chega a US$ 155 bilhões. O relatório, que monitora a atividade internacional em várias áreas, constata que a produção internacional das multinacionais aumentou em 2014. As vendas de filiais estrangeiras cresceu mais rápido do que a dos concorrentes nacionais, e faturam US$ 7,9 trilhões.

A Unctad prevê ”recuperação sustentável” do fluxo global de IDE, podendo alcançar US$ 1,4 trilhão em 2015. A agência, porém, tem pouca sorte com previsões: no ano passado, estimou que o total de investimentos diretos globais alcançaria US$ 1,6 trilhão e o resultado foi de US$ 1,23 trilhão, quase um quarto inferior ao projetado. Segundo a agência, houve enormes desinvestimentos, inclusive por parte de companhias dos EUA.

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra