Parte da bancada do PMDB no Senado declara apoio às centrais na luta contra a terceirização

Senadores divulgaram documento a respeito do PL 4302/1998 nesta semana

Parte da bancada do PMDB no Senado anunciou, nesta terça-feira (28), que é contrária à sanção do Projeto de Lei 4302/1998, que versa sobre a terceirização para todas as áreas de organizações privadas ou públicas. A decisão foi tomada durante encontro dos senadores, que defendem a regulação e regulamentação das atividades terceirizadas, mas não de forma ampla e irrestrita como prevê o projeto.

Aprovado pela Câmara dos Deputados no dia 22/03, o documento abre as portas para a terceirização generalizada (nas atividades-fim e meio das empresas e instituições) e contribui para a diminuição dos concursos públicos e o desmonte da estrutura sindical brasileira. Além disso, “para a bancada, o texto aprovado [ainda] precariza as relações de trabalho, derruba a arrecadação, revoga conquistas da Consolidação das Leis do Trabalho e piora a perspectiva de aprovação da reforma da Previdência”.

Antes do anúncio dos senadores, as centrais sindicais tentaram reverter o processo de aprovação do projeto ao reivindicar a votação do PLC 30 (antigo Projeto de Lei 4330) ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), e ao presidente nacional do PMDB e líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR), sem sucesso. Em reunião com o movimento sindical, o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB/CE), afirmou desconhecer tal compromisso e que o PLC não será apreciado pelo Senado em caráter emergencial, seguindo em ritmo “natural”.

No entendimento das centrais, o PL 4330 é uma melhor opção porque assegura direitos aos trabalhadores, ao contrário da pauta encaminhada à sanção presidencial. De acordo com a nota oficial do presidente da CSB Antonio Neto, assinada em conjunto com as demais centrais,  é necessário regular a terceirização no País, mas sem fazer mais de 12 milhões de desempregados pagarem pela crise político-econômica do Brasil.

“Essa terceirização [do PL 4302] promove uma reforma trabalhista e sindical, aumenta a insegurança jurídica, acaba com os direitos trabalhistas, divide as categorias e permite que o setor patronal faça o que bem entender com os sindicatos dos trabalhadores”, diz a nota.

O texto aprovado ainda estabelece a responsabilidade subsidiária da empresa contratante em relação à responsabilidade da empresa de serviços terceirizados – ou seja, os bens da empresa contratante somente poderão ser penhorados pela Justiça para o pagamento e quitação de direitos trabalhistas se não houver mais bens da empresa terceirizada – e permite a “quarteirização”, subcontratação de empresas para realizar serviços ao contratante por meio da terceirizada.

Em protesto contra esses pontos, as centrais já definiram o dia 28/04 como a data da greve geral a favor da derrubada da terceirização (PL 4302) e das reformas da Previdência Social (PEC 287) e trabalhista ( PL 6787). Segundo Neto, a CSB vai colaborar com a paralisação de categorias importantes, como taxistas, trabalhadores do setor de tecnologia da informação, da indústria, serviços e demais profissionais que fazem parte da base da Entidade.

Compartilhe:

Leia mais
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto que altera regras do Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto
Ministro Carlos Lupi e José Avelino Pereira Sinab CSB
Presidente do Sinab assume posto no Conselho Nacional de Previdência Social