UNICIDADECSB

Opinião | João Franzin – Getúlio, gênio odiado

O Brasil teve um gênio na política. Esse gênio é o gaúcho positivista, castilhista, nacionalista, socialista e trabalhista Getúlio Vargas. Todos os que vieram depois são menores, inclusive Lula – um grande líder popular, mas não estadista.

Getúlio nasceu na elite agrária, conservadora. Mas soube reger as circunstâncias e conseguir uma proeza: criou e comandou uma elite dissidente, com visão nacional, progressista, modernizadora e, por precisão imperiosa, apoiada nas armas.

Porém, nunca foi herói solitário, novelesco. Homens como Osvaldo Aranha, Lourival Fontes e outros – civis ou militares – compuseram um comando qualificado e efetivo de combate ao atraso e de construção do Estado brasileiro, até então um gabinete de despacho da elite atrasada e corrupta.

Centenas são as realizações de Getúlio, em seus dois governos. Mas uma das suas melhores construções é a estrutura sindical, amparada no Estado. Esse mesmo Estado, que episodicamente é repressivo, foi quem garantiu a organização da nascente classe trabalhadora, no País que havia sido o último a abolir a escravidão.

Sábio, e consciente da correlação de forças, Getúlio Vargas criou as condições para o sindicalismo se exercer com força, por meio de um Ministério do Trabalho aliado, da Justiça do Trabalho e de outros mecanismos, como o imposto sindical – o mais honesto dos impostos já aplicados em nosso País.

Os que combatem Getúlio não é ao estadista que visam alvejar, nem ao governante que precisou endurecer o regime pra dominar a luta interna. Querem destruir o Estado nacional e todos os aparelhos componentes desse Estado que, porventura, representem proteção aos trabalhadores, às suas organizações, à dignidade do trabalho e à soberania nacional. Atuam para que um povo perca essa condição e vire um bando.

Como mostra a Carta-Testamento, Getúlio Vargas tinha consciência de quem eram os inimigos do projeto de construir um Brasil forte, desenvolvido, autônomo, com um povo dono de seu nariz.

Os que atacam a estrutura sindical getulista – não para melhorar o que ficou defasado – e sim destruir o que a Constituição de 1988 reafirmou (como o Artigo 8º) só o fazem por três motivos: 1) Porque compõem as classes dominantes daqui ou de fora; 2) Porque professam a ignorância; 3) Porque, não sendo dessas classes, se põem a mando das mesmas – para o serviço sujo.

Barbosa Lima Sobrinho ensinou que só há dois partidos no Brasil: o de Tiradentes e o de Joaquim Silvério dos Reis. Atacar a organização construída por Getúlio e referendada na Assembleia Nacional Constituinte, para pôr em seu lugar o modelo sindical dos USA, é, em alguns casos, erro chocante, em outros, sabujice ao capital. Remunerada.

Fonte: Agência Sindical

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra