OIT: maioria dos trabalhadores tem jornada longa demais ou muito curta

Trabalhar 8 horas diariamente não é a norma para mais da metade da força de trabalho global, apontou um relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT). A média de jornada dos trabalhadores é de 43,9 horas semanais, mas este dado esconde a realidade: a maioria tem jornada muito longa ou trabalha menos que a média. 

O estudo da OIT sobre equilíbrio entre vida profissional e pessoal, publicado nesta sexta-feira (6), descobriu que 35,4% dos trabalhadores globalmente têm uma semana de trabalho superior a 48 horas – ou seja, quase dez horas por dia de segunda a sexta. 

Enquanto isso, cerca de um quinto (20,4%) da mão de obra atua em tempo parcial, durante menos de 35 horas por semana. 

A maior diferença é observada na região Ásia-Pacífico, onde 46,7% dos trabalhadores têm carga horaria superior a 48 horas semanais e 14,5%, menos de 35 horas. 

“Embora as longas horas de trabalho tenham diminuído ligeiramente no início da pandemia e o período mais curto de horas de trabalho tenha aumentado um pouco, ambos os fenômenos já estavam voltando aos níveis pré-pandêmicos no fim de 2020”, diz o levantamento. 

A OIT comparou também a carga horária dos trabalhadores com a quantidade de tempo que eles gostariam de trabalhar, e encontrou uma grande discrepância. 

Flexibilidade aumenta produtividade 

Os pesquisadores observaram ainda os efeitos das medidas de flexibilização implementadas durante a pandemia de Covid. “Dar aos trabalhadores mais flexibilidade em como, onde e quando trabalham pode ser positivo tanto para eles quanto para os negócios, por exemplo, melhorando a produtividade”, afirmou a OIT. 

Já o movimento contrário, de menos flexibilidade, demonstrou-se negativo. “Por outro lado, restringir a flexibilidade traz custos substanciais, incluindo aumento da rotatividade de pessoal.” 

O relatório examinou as respostas dos governos e das empresas à crise durante a pandemia para a continuidade do funcionamento das suas atividades e para a preservação dos postos de trabalho. 

De acordo com o estudo, o aumento do número de trabalhadores com jornada reduzida ajudou a evitar perda de empregos. A OIT conclui: 

“Há uma quantidade substancial de evidências de que as políticas de equilíbrio entre vida pessoal e profissional fornecem benefícios significativos para as empresas, apoiando o argumento de que tais políticas são uma ‘ganha-ganha’ tanto para empregadores quanto para funcionários”. 

Informações: O Globo 

Leia também: Salário real no Brasil caiu quase 20% desde 2020, aponta OIT 

Compartilhe:

Leia mais
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto que altera regras do Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto
Ministro Carlos Lupi e José Avelino Pereira Sinab CSB
Presidente do Sinab assume posto no Conselho Nacional de Previdência Social