OIT faz recomendações ao Brasil sobre o não cumprimento da Convenção 98; veja nota da CSB sobre a decisão

CSB e as demais centrais estão em Genebra, na 108ª Conferência Internacional do Trabalho

 

A Comissão de Normas da OIT apresentou, nesta quarta-feira (19), conclusões que confirmam a denúncia feita pelas centrais sindicais junto à Organização Internacional do Trabalho sobre a ausência de consulta tripartite no processo de elaboração e aprovação da Lei 13.467/2017, da reforma trabalhista.

O governo brasileiro, durante a tramitação da reforma no Congresso Nacional, recusou-se a dialogar com a representação dos trabalhadores e da sociedade civil, bem como não houve a devida e necessária consulta tripartite na elaboração da lei.

As centrais sindicais esperam agora que, com inclusão do governo brasileiro na lista suja da OIT pelo não comprimento da Convenção 98, o Brasil abra os canais de diálogo fundamentais para discutir as questões que levaram o País à vergonhosa lista da Organização Internacional do Trabalho.

A CSB divulgou nesta quarta uma nota sobre as conclusões na OIT neste processo. Leia na íntegra:

 

CSB: Comitê de Aplicação de Normas da OIT faz recomendações ao governo brasileiro sobre o descumprimento da Convenção 98

Após o Brasil ser inserido na “lista suja” dos países que descumprem as convenções da Organização Internacional do Trabalho, ouvida a defesa do governo brasileiro, com intervenções de 47 países, dentre os quais a União Europeia, o Comitê de Aplicação de Normas fez recomendações ao Governo Brasileiro.

Dados os indícios de inexistência de tripartismo real, solicitou ao governo que continuasse a analisar, em cooperação e em consonância com as organizações mais representativas dos empregadores e dos trabalhadores, o impacto das reformas e decidir se são necessárias adaptações adequadas.

Em seguida, como forma de comprovar à OIT a existência de tripartismo efetivo, impôs ao Brasil que preparasse, em consulta com as organizações de empregadores e trabalhadores mais representativas, um relatório a ser submetido ao Comitê de Peritos, para posterior análise da entidade internacional.

O Governo Brasileiro, presente na ocasião da pronúncia dos resultados, reagiu rispidamente contra o sistema tripartite e o multilateralismo, desconsiderando o representante brasileiro, que tanto a inclusão na “lista suja” quanto o relatório final de conclusão são tomados por consenso tripartite e conforme relatório dos peritos da OIT.

A CSB reafirma sua confiança no diálogo social, no tripartismo, na multilateralidade e na necessidade de que o Governo Brasileiro reabra e desenvolva adequadamente os canais democráticos no país, com respeito e participação das entidades representativas do mundo do trabalho. Ainda, reforça a importância da OIT e seu sistema de normas e controles para o trabalho decente e a dignidade da pessoa humana.

Central dos Sindicatos Brasileiros

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)