CSB_26.02_baixa-res.-102-e1456838415296

Moções aprovadas no II Congresso da CSB reforçam os ideais de luta da Central e suas bases

Categorias expuseram questões urgentes para a melhora das condições de trabalho de seus profissionais e tiveram o apoio da Entidade em suas reivindicações

O II Congresso da CSB terminou na tarde do dia 26 de fevereiro com a aprovação de seis moções, que, entre outras pautas, reforçam apoio às causas dos taxistas, trabalhadores da saúde no Sistema Único de Saúde (SUS), frentistas, contra a terceirização dos trabalhadores do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado do Mato Grosso (INDEA – MT) e contra o corte de trabalhadores concursados celetistas da Universidade Federal de Alagoas. O presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros, Antonio Neto, também apresentou  moção que pede, ao Congresso Nacional, a derrubada do veto de Dilma Rousseff à auditoria da dívida pública incluída na lei do Plano Plurianual (PPA) 2016-2019. Todas as moções foram aprovadas por unanimidade.

_MG_5796A moção de repúdio do Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Agrícola, Agrário, Pecuário e Florestal do Estado do Mato Grosso (Sintap – MT) reafirma a ilegalidade do Projeto de Lei 334/2015, que dispõe sobre a terceirização na inspeção industrial e sanitária dos produtos de origem animal. “A questão da inspeção sanitária animal é uma questão de saúde pública, ela não pode ser feita por trabalhador terceirizado que não possui compromisso com a garantia de saúde e qualidade. Apresentando essa moção aqui, nós queremos que os representantes sindicais levem aos seus municípios essa nossa luta. O PL 334 põe em risco postos de trabalho e a saúde do trabalhador”, afirmou Diany Dias, presidente do Sintap- MT e vice-presidente da CSB.

Jogelson Veras, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Púbico Federal no Estado de AlagoasCSB_26.02_baixa res. (100) (SINTSEP/AL), foi o responsável por apresentar a moção de repúdio à reitora da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Valeria Correia, que está promovendo a discórdia entre servidores do Hospital Universitário. “Essa magnífica reitora tem promovido o terrorismo psicológico aos servidores do regime celetista dizendo que vai demitir os 730 servidores concursados que não estão no regime estatutário.  Ao todo, o hospital tem 1.100 funcionários. Caso os celetistas sejam demitidos, haverá um problema muito sério nos atendimentos médicos que ficarão defasados. Isso não pode acontecer”, relatou Veras.

Na moção em defesa dos taxistas, o diretor do Sindicato dos Taxistas de Fortaleza (Sinditaxi), Francisco Moura, defendeu que todos os trabalhadores brasileiros devem se posicionar contra o UBER, aplicativo de celular que oferece transporte em carros particulares e é conhecido como “carona remunerada”. “Nós somos contra a tudo que for ilegal, e o UBER é ilegal, não deixa ser um táxi pirata. Esse aplicativo não segue as leis brasileiras, nem o Código Brasileiro de Trânsito, nem a lei estadual, nem a lei municipal. Nós, taxistas, estamos dentro da lei. Eles estão fora da lei”, disse.CSB_26.02_baixa res. (101)

_MG_5802Antonia Trindade, presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Pará (SENPA), foi a oradora da moção de solidariedade aos trabalhadores da área da saúde do SUS. “Nós queremos que o Projeto de Lei 2295, que fixa em 30 horas a carga de trabalho semanal de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e parteiras, seja aprovado com celeridade. A enfermagem hoje tem mais 2,5 milhões de trabalhadores que estão adoecendo devido à precarização das condições de trabalho. Quem cuida da nossa saúde está doente. Precisamos que os sindicalistas se unam nessa causa”, afirmou.

O diretor da Federação Nacional dos Frentistas (FENEPOSPETRO), José Porcino, pediu o apoio do movimentoCSB_26.02_baixa res. (105) sindical para que a profissão de frentista não seja extinta. “Os donos de postos querem acabar com a nossa categoria. São 600 mil profissionais em todo o Brasil que correm o risco de perder o emprego caso seja implementado o sistema de “self atendimento” nos postos de gasolina. Isso não pode acontecer”, argumentou.

Durante o evento também foi proposta moção de aplausos em reconhecimento ao II Congresso da CSB, promovida pelas seguintes entidades: Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, Sindicato de Empregados de Edifícios de Niterói, Sindicato dos Guardadores de Automóveis de Niterói, Sindicato de Rodoviários de Niterói e São Gonçalo e Sindicato da Saúde de Niterói.

Patrocínio e apoio

O II Congresso da CSB conta com o patrocínio e apoio do Governo Federal, do Governo de Brasília, do Ministério do Trabalho e Previdência Social, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), da Federação Interestadual dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação (Feittinf), do Serviço Social da Indústria (Sesi), da Caixa Seguradora e da empresa Ábaco Informática.

Confira a íntegra das moções:

Moções apresentadas no II Congresso nacional da CSB

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra