mineiros-candiota

Mineiros de Candiota, no Rio Grande do Sul, realizam assembleia e decidem entrar em greve

Em assembleia realizada nesta quinta-feira (27/2), os mineiros de Candiota rejeitaram, tanto a proposta da empresa quanto a prorrogação do atual acordo coletivo, que vem sendo feita desde 2019. Dessa forma, declarada greve a partir das 8:00 da próxima segunda-feira, 2.

O dirigente do Sindicato dos Mineiros Hermelindo Ferreira falou os principais pontos dessa proposta, que não foi aceita pela categoria. “A empresa não quer dar o índice de reajuste. Este acordo já venceu em 1° de maio de 2019. Os salários em vigor, ainda são os de 2018, de lá pra cá, nós não tivemos nenhum reajuste. Esse índice de correção, que seria de 5,07%, é o INPC daquele período, período de 30 de abril/2018”, explica, pontuando que mesmo com a realização de diversas reuniões, a empresa segue sem ofertar o índice.

O estado, que alega não ter condições de pagar porque a situação financeira da empresa não permite, acaba provocando com essa decisão uma sentença não só para os salários, mas também na correção do vale alimentação e demais cláusulas financeiras: auxílio creche, auxílio estudante.

Outro fator determinante é o Dia do Mineiro, data com significado para a categoria que deixa de existir, conforme proposta patronal. Sendo uma afronta, já que a data já é consagrada e representa o mesmo que o dia do trabalhador.
Uma outra demanda é a intenção de demitir os aposentados, querendo tornar mais ‘barata’ essa demissão. “Peguei um cálculo de um colega que tem 28 anos de empresa. Ele tem um salário R$ 4,8 mil. Os 12 dias que consta na clausula do dissídio pra ele representa um valor de R$ 53,6 mil. Ao acabar com essa clausula, o trabalhador que está saindo perde valores bem expressivos no momento da sua rescisão”, explica, apresentando como parâmetro.
Hermelindo também adiantou que tudo está sendo preparado: áreas essenciais vão funcionar para não parar o fornecimento de carvão a Usina. “Que é o pessoal do beneficiamento de carvão, britagem e moagem, com um número mínimo. Só para não parar.

“Não é ganho salarial, mas sim em manter o salário, ser pago as perdas que elas tiveram, mas não tem conseguido, já que o Estado não tem cedido nenhum espaço para que ocorra essa reposição”.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra