amazonense

Mercado de trabalho brasileiro é um dos mais afetados pela crise mundial

Desemprego atinge 14,1%. Há 14 milhões de desocupados

O Brasil tem uma das maiores taxas de desocupação entre os emergentes e as grandes economias do mundo: 14,1% em 2020. A desocupação atinge 14 milhões.

O Japão tem a menor taxa: 2,9%. Na outra ponta, está a África do Sul, com 30,8%. Só em um país da OCDE o desemprego foi maior que no Brasil no ano passado: a Espanha, com 16,2%.

Apesar da queda no trimestre encerrado em novembro, o número de desempregados no país continua em patamares historicamente altos. O economista Marcos Hecksher, do Ipea, afirma que o pior do Brasil nem é a taxa de desemprego, e sim o total de pessoas com possibilidade de trabalhar, mas que não estão ocupados.

Nas contas dele, essa taxa saiu de 54,8% no 3º trimestre de 2019 para 47,1% no 3º trimestre de 2020 –uma queda de 7,7 pontos percentuais em 12 meses, perdendo apenas para a Colômbia e o Chile, que viram a taxa desabar 8,8 e 11,9 pontos, respectivamente.

O pior resultado, em um grupo de 40 países analisados pelo economista, é o da África do Sul, que tem apenas 37,5% da sua população economicamente ativa trabalhando. Na outra ponta, está a Islândia (81,7%).

Na avaliação de Hecksher, a melhor política econômica para combater esses números negativos é controlar o coronavírus. “Nunca houve aquele dilema entre salvar vidas e salvar empregos. A gente salvou menos vidas e salvou menos empregos. Não houve uma troca neste sentido”, afirma.

“A principal política econômica é a vacinação. Não tem nada mais importante. Quem conseguir mais rapidamente derrubar o número de mortes de covid-19 vai conseguir impulsionar sua economia melhor do que outros países. A gente está em um ritmo muito lento.”

A taxa de desocupação no Brasil medida pelo IBGE ainda deve piorar um pouco. Brasileiros tinham desistido de buscar vagas de trabalho por causa do alto contágio de coronavírus. Agora que o auxílio emergencial acabou, muitos devem voltar ao mercado e reaparecer na estatística nos próximos meses.

Fonte: Poder 360

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra