Mandato de prefeita é cassado pela Câmara de Carmo do Rio Claro, MG

A prefeita de Carmo do Rio Claro (MG), Maria Aparecida Vilela (PR), teve o mandato cassado por seis votos a três na noite desta terça-feira (16) durante sessão da Câmara Municipal de Vereadores. Segundo denúncia acatada pelo Legislativo, Cida Vilela, como é conhecida na cidade, é acusada de autorizar gastos em 2015 sem que houvesse saldo no orçamento do município.

O relatório apresentado pela Comissão Processante para pedir a cassação de Cida Vilela se baseia no projeto de lei 077/15 enviado à Casa pelo Executivo em que se pede a abertura de crédito para pagamento de despesas já realizadas pelo município. O projeto citava, inclusive, a emissão de notas fiscais para a quitação dos débitos.

De acordo com presidente da Câmara, Wilber Pitol Moura (PPS), Cida Vilela ainda pode recorrer da decisão na Justiça, mas a Câmara dará posse ao vice-prefeito Sebastião César Lemos (PT do B) em cerimônia prevista para o meio-dia desta quarta-feira (17).

“Havia quatro denúncias contra ela, mas apenas uma foi acatada por dois terços do legislativo”, explica o presidente. “Essa denúncia mostra, por meio de notas fiscais, que ela gastou R$ 188.166,88 sem autorização da Câmara e sem que houvesse dotação orçamentária”, diz.

Recursos não autorizados

Conforme Moura, o dinheiro seria usado para manter o pronto-atendimento municipal, que foi tirado do hospital da cidade sem que a Câmara aprovasse uma verba específica para esse serviço.

“Como não havia dotação orçamentária, ela (Cida Vilela) embutiu o pronto-atendimento no contrato com o Cismip, que é o consórcio intermunicipal de saúde que já oferecia consultas eletivas. Mas averba do Cismip não era suficiente para cobrir os gastos com o pronto-atendimento, então eles emitiram algumas notas fiscais e ela teve que pedir abertura de crédito para a Câmara”, relata o vereador.

A reportagem do G1 tentou contato com a prefeita de Carmo do Rio Claro, mas, até esta publicação, não obteve retorno. Ela também não compareceu à sessão de julgamento do processo de cassação. Esse é o segundo processo de cassação enfrentado por Cida Vilela em três anos.

Em 2013, ela recebeu condenação da Justiça Eleitoral por supostas irregularidades no uso de cerca de R$ 6 milhões de saldo do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor Público Municipal (FAPEM) para pagamento de férias-prêmio. Uma liminar judicial permitiu que ela fosse mantida no cargo.

Fonte: G1 – Sul de Minas

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra