Mais um corte de direitos: senadores aprovam MP 664

Único item excluído da Medida Provisória beneficia apenas os empresários; CSB vai lutar pela manutenção da emenda do fim do fator previdenciário

 Na noite de ontem, 27 de maio, foi a vez de o Senado aprovar a MP 664, que dificulta o acesso ao auxílio doença e à pensão por morte, além de estabelecer novas regras para as perícias médicas. O texto aprovado por 50 votos a favor, 18 contra e 3 abstenções é do relatório do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), com três emendas aprovadas na Câmara: alternativa ao fator previdenciário; regulamentação da pensão por morte para pessoas com deficiência; e exclusão do prazo de pagamento sobre o auxílio-doença.

A sessão no Plenário do Senado foi marcada novamente por manifestações contrárias à aprovação da MP, que atende ao projeto da equipe de econômica de cortar direitos trabalhistas. A Medida segue agora para a sanção da presidenta Dilma Rousseff.

Como ficam os cortes

Com as novas regras, só receberá a pensão por morte o cônjuge que teve, no mínimo, dois anos de casamento ou união estável. Além disso, o falecido deve ter contribuído pelo menos 18 meses com a Previdência. O conjugue viúvo só receberá a pensão de maneira vitalícia se tiver mais de 44 anos de idade; os mais jovens recebem apenas por um tempo determinado, que varia de 3 a 20 anos. Nas regras atuais, não há idade mínima nem tempo de contribuição, e o benefício é vitalício independente da idade. Para a Central, as novas regras cria o “fator previdenciário das viúvas”, que afetará as mulheres de baixa renda.

Veja a tabela com as novas regras da pensão por morte:

– 3 anos de pensão para cônjuges com menos de 21 anos de idade.
– 6 anos de pensão para cônjuge com idade entre 21 e 26 anos.
– 10 anos de pensão para cônjuge com idade e entre 27 e 29 anos.
– 15 anos de pensão para cônjuge com idade entre 30 e 40 anos.
– 20 anos de pensão para cônjuge entre 41 e 43 anos.
– Pensão vitalícia para cônjuge com mais de 44 anos.

O único item retirado do texto aprovado foi o que diz respeito ao prazo para requisição do auxílio-doença, que – pela proposta do governo aumentaria para 30 dias o prazo para o INSS começar a arcar com o pagamento do trabalhador afastado. Esta única exclusão mantém o prazo em 15 dias, o que, segundo a CSB, beneficia apenas os empresários.

Uma das emendas no texto aprovado faz referência à mudança no fator previdenciário, cálculo utilizado hoje para a concessão de aposentadorias. Atualmente, este sistema reduz o valor do benefício de quem se aposenta por tempo de contribuição antes de atingir 65 anos (homens) ou 60 anos (mulheres). O tempo mínimo de contribuição para aposentadoria é de 35 anos para homens e de 30 para mulheres.

A alteração aprovada pelos deputados e senadores propõe a fórmula 85/95, pela qual o trabalhador se aposenta com vencimento integral se a soma da idade e do tempo de contribuição resultar 85 para mulheres ou 95 para os homens. O governo, entretanto, já se manifestou dizendo que vetará a emenda assim que a MP 664 chegar ao Planalto.

Leia aqui a matéria sobre a luta da CSB pelo fim do fator previdenciário, inserido como emenda na MP 664.

As perícias médicas para a concessão dos benefícios da Previdência não serão mais exclusivas dos médicos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), podendo ser feitas por instituições privadas, o que, na visão da CSB, precariza os serviços prestados e deixa os trabalhadores desprotegidos.

Veja abaixo como os senadores votaram na Medida Provisória 664.

Parlamentares que votaram a favor do Levy e contra os trabalhadores:

Ângela Portela (PT-RR) – Sim
Benedito de Lira (PP-AL) – Sim
Blairo Maggi (PR-MT) – Sim
Ciro Nogueira (PP-PI) – Sim
Dário Berger (PMDB-SC) – Sim
Delcídio do Amaral (PT-MS) – Sim
Donizeti Nogueira (PT-TO) – Sim
Douglas Cintra (PTB-PE) – Sim
Edison Lobão (PMDB-MA) – Sim
Elmano Férrer (PTB-PI) – Sim
Eunício Oliveira (PMDB-CE) – Sim
Fátima Bezerra (PT-RN) – Sim
Fernando Coelho (PSB-PE) – Sim
Fernando Collor (PTB-AL) – Sim
Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) – Sim
Gleisi Hoffmann (PT-RS) – Sim
Hélio José (PSD-DF) – Sim
Humberto Costa (PT-PE) – Sim
Jader Barbalho (PMDB-PA) – Sim
João Alberto Souza (PMDB-MA) – Sim
João Capiberibe (PSB-AP) – Sim
Jorge Viana (PT-AC) – Sim
José Medeiros (PPS-MT) – Sim
José Pimentel (PT-CE) – Sim
Lídice da Mata (PSB-BA) – Sim
Lindbergh Farias (PT-RJ) – Sim
Lúcia Vânia (PSDB-GO) – Sim
Marcelo Crivella (PRB-RJ) – Sim
Marta Suplicy (Sem partido-SP) – Sim
Omar Aziz (PSD-AM) – Sim
Otto Alencar (PSD-BA) – Sim
Paulo Paim (PT-RS) – Sim
Paulo Rocha (PT-PA) – Sim
Raimundo Lira (PMDB-PB) – Sim
Regina Sousa (PT-PI) – Sim
Roberto Requião (PMDB-PR) – Sim
Roberto Rocha (PSB-MA) – Sim
Romário (PSB-RJ) – Sim
Romero Jucá (PMDB-RR) – Sim
Rose de Freitas (PMDB-ES) – Sim
Sandra Braga (PMDB-AM) – Sim
Simone Tebet (PMDB-MS) – Sim
Telmário Mota (PDT-RR) – Sim
Valdir Raupp (PMDB-RO) – Sim
Vanessa Grazziotin (PCdoB – AM) – Sim
Vicentinho Alves (PR-TO) – Sim
Waldemir Moka (PMDB-MS) – Sim
Walter Pinheiro (PT-BA) – Sim
Wellington Fagundes (PR-MT) – Sim
Zezé Perrella (PDT-MG) – Sim

Parlamentares que votaram contra o Levy e a favor dos trabalhadores:

Aécio Neves (PSDB-MG) – Não
Aloysio Nunes (PSDB-SP) – Não
Álvaro Dias (PSDB-PR) – Não
Ataídes Oliveira (PSDB-TO) – Não
Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) – Não
Cristovam Buarque (PDT-DF) – Não
Dalírio Beber (PSDB-SC) – Não
Davi Alcolumbre (DEM-AP) – Não
Flexa Ribeiro (PSDB-PA) – Não
José Agripino (DEM-RN) – Não
José Serra (PSDB-SP) – Não
Maria do Carmo Alves (DEM-SE) – Não
Paulo Bauer (PSDB-SC) – Não
Ronaldo Caiado (DEM-GO) – Não
Sérgio Petecão (PSD-AC) – Não
Tasso Jereissati (PSDB-CE) – Não
Wilder Morais (DEM-GO) – Não
Reguffe (PDT-DF) – Não

Abstenções

Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) – Abstenção
Eduardo Amorim (PSC-SE) – Abstenção
Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) – Abstenção

 

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)