Para Marinho, proteção para trabalhadores em apps deve ir além da Previdência Social

Proteção para trabalhadores em apps – Na instalação oficial do grupo de trabalho que vai discutir a regulação do trabalho em aplicativos, o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, afirmou que oferecer apenas acesso à Previdência Social a esses trabalhadores é insuficiente.

A primeira reunião aconteceu nesta segunda (5) e foi voltada para apresentar como será o funcionamento do grupo, que reúne representantes dos trabalhadores, empresas do setor e do governo. O objetivo é formular um projeto de lei a ser enviado ao Congresso Nacional.

A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) esteve presente representada por trabalhadores da área, Pedro Mourão e Nicolas Souza, integrante da Aliança Nacional dos Entregadores por Aplicativos e dirigente da associação local de entregadores em Minas Gerais, e pelo assessor para assuntos parlamentares, Ernesto Pereira.

As discussões sobre as demandas da categoria começam no próximo encontro, que está marcado para 21 de junho. Em seguida, as empresas do setor apresentarão suas respostas e propostas para a regulamentação. As duas partes já conversaram com o ministro em reuniões preparatórias separadamente.

“Eu sei que tem um bom ponto de partida. Todas as empresas me procuraram, disseram ‘nós somos a favor de ter um reconhecimento da garantia social’, da Previdência Social, mas isso é muito pouco. É essencial, mas é pouco. É preciso ter garantias”, disse Marinho na instalação da mesa nesta segunda.

Segundo o ministro, a intenção não é proibir qualquer empresa de ter lucro, mas proteger o trabalhador, e até mesmo fazer do Brasil uma referência na valorização dessas atividades.

“Não pode ser um lucro extravagante a tal ponto de representar superexploração do trabalho”, argumentou. “Se nós capricharmos, podemos ser referência nesse processo de valorização dessa atividade econômica”.

Críticas à reforma trabalhista

De acordo com o ministro, o atual cenário de desproteção completa dos trabalhadores em aplicativos e de aumento nos casos de trabalho análogo à escravidão está diretamente ligado à reforma trabalhista e a lei da terceirização, aprovadas em 2017.

“Nós temos constatado um crescimento desastroso do trabalho análogo à escravidão. Eu creio que como resultado da última reforma trabalhista. Muita gente não gosta, mas a minha avaliação é que o jeito que ficou a terceirização na atual legislação trabalhista tem induzido a um processo de liberou geral e, portanto, induzido à ânsia do maior resultado possível do ponto de vista financeiro”, afirmou.

Texto: CSB, com informações de Folha de S.Paulo

Foto: CSB

Relacionada: Centrais sindicais apresentam diretrizes para regulamentar o trabalho em aplicativos

Compartilhe:

Leia mais
mpt recomendação contadores contribuição sindicatos
Contador não pode incentivar oposição à contribuição sindical, orienta MPT
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto sobre Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto