reuniao

Lideranças trabalhistas se reúnem para discutir campanha de combate à Reforma Administrativa

Para o movimento sindical, a Reforma Administrativa proposta pelo Governo Federal irá destruir o Estado brasileiro

A luta contra a Reforma Administrativa se tornou uma pauta central do movimento sindical. O motivo são os diversos ataques ao povo e ao Estado brasileiro presentes na proposta do Governo Federal. Além de privar a maior parte da população, que necessita dos serviços públicos, ela desmantela o funcionamento da administração estatal do Brasil.

Dessa forma, as lideranças dos trabalhadores se reuniram em videoconferência na manhã desta terça-feira (22) para discutir as estratégias de luta contra a Reforma Administrativa. Estavam presentes representantes das 11 centrais sindicais, de federações e confederações, e também do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Posição da CSB

A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) estava presente no encontro e fez importantes apontamentos para construção da luta contra a destruição dos serviços públicos. Para Sérgio Arnoud, líder da CSB no Rio Grande do Sul, devemos estar cientes sobre a mudança do modelo de Estado causada pela reforma. “Nós entendemos que o atual momento visa mostrar para a população que está em curso uma troca do modelo de Estado. O que nós temos hoje é um modelo prestador de serviço, que será trocado por um modelo demandador de serviços. Um modelos demandador de serviços significa que a sociedade passará a pagar por direitos que hoje em dia ela não paga”.

Arnoud também ressaltou o aumento da corrupção que será causado pelo fim da estabilidade no funcionalismo. “A questão da quebra da estabilidade vai possibilitar exatamente aquilo que foi usado no discurso contra nós. Essa mudança vai propiciar a corrupção de ponta a ponta, desde o município até a união”.

Já Antonio Wagner, liderança da CSB no Mato Grosso, defendeu que o movimento sindical faça levantamentos e apresente números concretos para convencer a população sobre os riscos da destruição do Estado nacional. “É importante a gente começar a colocar números na cabeça da população. Quando a gente tá falando de ‘reduzir a máquina do Estado’, no caso do Mato Grosso, por exemplo, a gente está falando em economizar 5 bilhões, porém, com isenções fiscais, perdemos cerca de 8 bilhões”.

O secretário-geral da CSB, Álvaro Egea, também marcou presença no encontro, e finalizou defendendo a necessidade de ações conjuntas, evitando movimentos isolados que acabam por fragmentar a campanha.

Compartilhe:

Leia mais
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores
Sindpd=SP ganha premio no Sindimais
Projeto do Sindpd-SP vence prêmio de Inovação e Transformação Digital no SindiMais
protesto colete feminino vigilantes niteroi
Vigilantes de Niterói iniciam campanha por coletes apropiados para mulheres
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: novas tecnologias podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do PR na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT