Levy e Barbosa divergem sobre ajuste

Publicamente, ministro negou divergências internar relevantes

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, esperava um sinal explícito de apoio do Palácio do Planalto ao ajuste fiscal na segunda-feira como resposta ao descontentamento demonstrado por ele na sexta-feira ao se negar a participar da entrevista que detalhou os cortes no Orçamento de 2015. A sinalização a Levy veio na forma de uma entrevista concedida por ele ao lado do ministrochefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, no fim da manhã.

De acordo com interlocutores do ministro, o resultado ficou aquém do esperado. Levy considerou a defesa do ajuste fiscal feita por Mercadante pouco objetiva e distante da mensagem “muito forte” que era esperada pela equipe econômica.

 A ideia era que os dois ministros pudessem misturar o apoio a Levy ao relato sobre a reunião de coordenação política comandada pela presidente Dilma Rousseff. Segundo apurou o Valor, Levy tinha o objetivo de dar três recados durante a entrevista de hoje: ao Congresso, especialmente ao PT, sobre a necessidade de aprovar as medidas. Ao setor privado, de que será obrigado a participar do ajuste; e ao governo de que o discurso da retomada do crescimento no segundo semestre é excessivamente otimista.

O ministro da Casa Civil cumpriu o script ao defender o projeto de desoneração da folha de pagamentos e afirmar que as mudanças em benefícios previdenciários são necessárias por causa do aumento na expectativa de vida. “É inadiável o ajuste fiscal. Quanto mais rápido fizermos, melhor para o ambiente econômico”, acrescentou Mercadante. Mas ele preferiu minimizar as dissidências partidárias, especialmente do PT, que têm dificultado a aprovação do ajuste no Congresso. Para Mercadante, tratam-se de divergências “pequenas e em algumas bancadas”.

O fogo amigo vindo do PT tem sido uma das principais reclamações de Joaquim Levy. Ele avalia que o partido não se comporta como governo. Durante a entrevista no Palácio do Planalto, Levy fez uma cobrança direta ao Congresso. “As medidas [do ajuste fiscal] e a agenda do crescimento são concatenadas. [É necessário] que o Congresso nos dê sinalização de que essa etapa dever ser cumprida nessa semana para que as Medidas Provisórias (MP) se tornem efetivas a partir de julho, como planejado”, afirmou.

A reunião da coordenação política do governo discutiu o projeto de desoneração da folha de pagamentos, a proposta que enfrentará maior dificuldade de aprovação segundo os líderes governistas. Levy disse aos jornalistas que diversos setores da economia já se preparam para a redução da desoneração e que é “evidente” que o governo não tem R$ 25 bilhões em renúncia para dar.

Outro tema espinhoso na agenda do governo é a MP 664, que inclui emenda que flexibiliza o fator previdenciário. O ministro Mercadante anunciou a criação do grupo interministerial para debater o assunto e dar subsídios ao fórum proposto pela presidente Dilma Rousseff para debater relações de trabalho, renda e previdência, com empresários, trabalhadores, governo e representantes de entidades. Levy defende internamente que o governo vete a medida por causa do impacto sobre as contas da Previdência. Depois de se negar a participar do anúncio do corte de gastos na semana passada e enfrentar especulações ao longo do fim de semana sobre os motivos de seu descontentamento, Levy mostrou desagravo quando perguntado se deixaria o governo. “Não houve nenhuma divergência, eu realmente estava gripado, resfriado”, disse. Logo em seguida, ele tossiu, arrancando risadas da plateia de jornalistas. “Houve certo alvoroço em torno dessa história, não entendi bem o porquê”, acrescentou.

 A estratégia a partir de agora é mostrar que Levy vai continuar trabalhando para aprovar as medidas do ajuste, especialmente a MP 668 e o projeto que reduz o benefício da desoneração da folha de pagamentos da União. Sobre os desentendimentos internos, a intenção é “baixar o clima bélico e mostrar que não há divergências que não sejam quotidianas e totalmente superáveis”.

O primeiro sinal do recuo tático de Levy foi logo pela manhã, quando chamou os jornalistas para falar na portaria do Ministério, por volta das 8h30 da manhã. O ministro disse que o contingenciamento ocorreu “no valor adequado”, que o governo “cortou na carne”, “com cautela” e “sem o menor risco ao crescimento econômico”. Levy, no entanto, manteve o recado sobre as dificuldades da economia. “O PIB não está devagar por causa do ajuste. Temos ajuste porque o PIB vinha devagar”, disse. Na análise do ministro, o governo continua com um problema sério na arrecadação, que não tem atendido as necessidades do governo nos últimos anos e “tem sobrevivido às custas de receitas extraordinárias”, como o Refis, programa de parcelamento de débitos com a União.

Questionado sobre nova rodada de elevação de impostos para fazer frente a essas necessidades, Levy afirmou que esse tipo de ação não pode ser vista como panaceia: “Não adianta pensar em novos impostos, como se isso fosse salvar a economia”. A respeito especificamente do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), Levy disse não ter nada calculado: “Temos que ir com calma”.

O discurso público de Levy trata o ajuste fiscal em análise pelo Congresso e o corte como etapas de um projeto de crescimento. O ministro insiste em ajustes estruturais. Mesmo quando fala das concessões, tópico da agenda positiva do governo, Levy diz que será preciso buscar novos meios de financiamento “agora que o dinheiro acabou”.

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

Leia mais
reunião fessergs reestruturação carreiras servidores rs
Servidores do RS pedem mais tempo para debater projetos de reestruturação de carreiras
Diretoria sindicato rodoviarios caxias do sul
Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Caxias do Sul (RS) reelege diretoria
senado e governo reoneração folha de pagamento
STF prorroga prazo para Senado e governo discutirem reoneração da folha de pagamento
eleição diretoria sindicato servidores são vicente 2024
Sindicato dos Servidores de São Vicente (SP) elege nova diretoria em disputa acirrada
lucro recorde fgts 2023
Lucro do FGTS quase dobra em um ano e atinge recorde de R$ 23,4 bilhões em 2023
comissão provisória csb-ba
Presidente da CSB-BA pede afastamento, e Antonio Neto nomeia comissão provisória
reunião centrais e governo lei igualdade salarial
Centrais e governo avaliam resultados do primeiro ano da Lei da Igualdade Salarial
mpt recomendação contadores contribuição sindicatos
Contador não pode incentivar oposição à contribuição sindical, orienta MPT
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Links: centrais realizam reuniões sobre agenda legislativa nos estados