pec_trabalhoescravo

Justiça condena empresário por trabalho análogo à escravidão em GO

Sentença também cita crime de falsidade ideológica e multa de R$ 8,2 milhões

O empresário Marcelo Palmério foi condenado a 9 anos de prisão em regime fechado pelos crimes de trabalho análogo à escravidão e falsidade ideológica, além do pagamento de multa no valor de R$ 8,2 milhões. Segundo a decisão, assinada pela juíza federal substituta Mara Elisa Andrade, da 5ª Vara da Justiça Federal de Goiânia, os crimes ocorreram em empresas do acusado, localizadas em Catalão, na região sudeste de Goiás.

G1 entrou em contato com a assessoria do empresário e recebeu a informação de que somente o advogado dele, Felicíssimo Sena, comentaria o caso. O defensor também foi procurado, mas não atendeu às ligações até a publicação desta reportagem.

Marcelo, que também é reitor da Universidade de Uberaba (Uniube), no Triângulo Mineiro, possui empresas de florestamento, reflorestamento, extração e comércio de madeira no município goiano. De acordo com o despacho, em 2006, 118 funcionários trabalharam em uma de suas companhias em condições similares às de escravos.

Alojados em casas precárias, eles não tinham acesso sequer à água para beberem. Também não possuíam chuveiros ou instalações sanitárias à sua disposição. Para chegar ao trabalho, era necessário andar cerca de 10 km ou seguir na caçamba de um caminhão sem qualquer tipo de proteção.

Além disso, conforme o parecer, o empresário, no período entre 1996 e 2009, falsificou informações para criar 20 empresas em nome de alguns funcionários junto a Junta Comercial do Estado de Goiás. A intenção, neste caso, era contratar os servidores como autônomos, para que não fosse necessário pagar a eles qualquer tipo de direito trabalhista.

Fonte: G1

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra