foto-1-e1429022994531

José Fogaça: “A consolidação da CSB é fundamental para a democracia e para a luta dos trabalhadores”

Deputado Federal participou da reunião da Central no Rio Grande do Sul e se comprometeu a negociar a pauta trabalhista no Congresso

Após encontro com o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori – na qual a CSB apresentou o trabalho da Entidade e seus representantes no Estado -, cerca de 40 dirigentes da Central no RS se reuniram, em 13 de abril, para discutir a organização e o crescimento da CSB no Estado, além do PL 4330/2004, que trata da regulamentação da prestação de serviço especializado. As emendas e destaques do texto serão votados hoje, 14, na Câmara. A reunião contou com a participação do ex-senador e atual deputado federal José Fogaça (PMDB-RS).

No encontro, os dirigentes reiteraram a importância da união de forças das bases para o fortalecimento da CSB no Estado. “Crescemos muito em pouquíssimo tempo, e sabemos que só organizados poderemos crescer ainda mais, ampliando a nossa representatividade e buscando entidades comprometidas com os reais interesses da classe trabalhadora”, disse Antonio Neto.

“Vamos trabalhar aqui no Rio Grande do Sul para aumentar as nossas filiações e desenvolver ainda mais a nossa organização como central forte e destemida na luta pelo povo do Brasil”, completou o presidente da CSB.

Avanço no Congresso

Segundo os dirigentes da Central, o debate com o deputado Fogaça foi muito produtivo. Na pauta, assuntos como o processo político brasileiro atual, além da situação e correlação de forças dentro do Poder Legislativo. Antonio Neto pediu auxílio ao parlamentar na luta que a CSB trava no Congresso Nacional para destravar a pauta trabalhista.

José Fogaça se comprometeu a construir dentro da Câmara um processo de coalizão de forças para pavimentar as negociações e tirar a pauta da inércia atual. O Deputado destacou também que houve uma mudança de postura em relação ao Congresso no que diz respeito à relação entre a Casa e o Executivo. Para o parlamentar, há hoje um protagonismo maior da Câmara e do Senado, que expõe para a sociedade e os trabalhadores a necessidade de um maior empenho de articulação e negociação, com o objetivo de destravar as bandeiras de luta de interesses dos trabalhadores.

Neste aspecto, a discussão sobre o PL 4330 estabeleceu-se no sentido da necessidade do diálogo e da intensa negociação para evitar o retrocesso e a precarização dos direitos trabalhistas. “Vamos, como representantes dos trabalhadores brasileiros, pressionar o Congresso para que a vida de 12 milhões de trabalhadores melhore e que seus direitos sejam preservados e garantidos”, ressaltou Neto.

Na próxima semana, os sindicatos da CSB no Rio Grande do Sul se reunirão para organizar uma Plenária Estadual, prevista para maio.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra