Consumo-e1371132834540

Governo dá novo estímulo ao consumo

Pacote de R$18,7 bilhões cria cartão com juros de 5% ao ano e limite de R$5 mil para compra de móveis e eletrodomésticos no “Minha Casa”

Diferentemente da promessa feita pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que não haveria mais estímulos ao consumo das famílias, a presidente Dilma Rousseff anunciou ontem um forte incentivo à compra de móveis, eletrodomésticos e computadores. O foco do pacote mais recente é o público do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida.

A partir de hoje, os mutuários do programa vão receber um cartão magnético da Caixa com um limite de R$5 mil para serem gastos na compra de geladeira, fogão, lavadora de roupas, móveis, computadores, televisão. Se todos os 3,75 milhões de mutuários – a meta final do programa habitacional, que já conta com 2,8 milhões de moradias contratadas – usarem esses recursos, o governo estima em R$18,7 bilhões o total de gastos com a compra de produtos.

O crédito será subsidiado pelo Tesouro Nacional, com taxas de juros fixas de 5% ao ano, e as famílias beneficiadas terão até 48 meses para pagar. Além disso, as lojas que aderirem ao programa serão obrigadas, por contrato, a receber um desconto de 5% no preço desses bens.

Juro novo. Após a cerimônia no Palácio do Planalto, o diretor de cartões da Caixa, Mário Neto, admitiu que a taxa de juros de 5% ao ano do novo programa, chamado de “Minha Casa Melhor”, “não existe no mercado”. Segundo dados do Banco Central, a própria Caixa oferece, em média, jutos de 43% ao ano (ou 3% ao mês), no crédito livre, não consignado.

Para evitar perdas do banco estatal, o Tesouro Nacional vai subsidiar diretamente o Programa. Como não dispões desse dinheiro no cofre, será preciso vender títulos da dívida no mercado para levantar os recursos.

O ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, afirmou que taxas serão “absolutamente subsidiadas para que o mutuário tenha acesso a esses bens”.

Em uma medida provisória que será publicada hoje, o governo deve autorizar o repasse de R$8 bilhões do Tesouro para a Caixa. Desses, cerca de R$3 bilhões vão constituir a primeira parcela de dinheiro para cobrir o “Minha Casa Melhor”. Os restantes R$5 bilhões servirão para capitalizar a Caixa.

Resultado. A presidente Dilma afirmou que o déficit habitacional brasileiro começou a ser reduzido com velocidade a partir de 2009, quando foi criado o Minha Casa, Minha Vida. “Os resultados desse programa estão transformando a realidade  do nosso País”, disse Dilma.

Desde então, pouco mais 1,2 milhão de família já receberam as chaves da casa própria. Outro 1,6 milhão de famílias já está com suas casas contratadas, em fase de construção. Restam, ainda, quase 1 milhão de moradias para que o programa atinja sua meta no fim de 2014.

A empresária Luiza Helena Trajano, presidente do Magazine Luiza e do Instituto para o Desenvolvimento do Varejo (IDV), elogiou a iniciativa do governo que, segundo ela, dá “dignidade ao nosso povo”.

De acordo com a Luiza, o projeto foi discutido durante três meses com representantes do varejo, da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e técnicos do Ministério da Fazenda. Segundo ela, 50% da população da classe C e D não possuem máquina de lavar roupa automática.

Fonte: O Estado de S. Paulo 13/06/2013

João Villaverde

Brasília

Colaboraram Anne Warth. Renata Veríssimo e Eduardo Cucolo

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra