Governo colocará no Orçamento despesas com reajuste de servidores

O governo vai incluir nas despesas previstas para este ano os gastos com o reajuste dos servidores federais.

O governo previa economizar R$ 4,4 bilhões com o adiamento dos reajustes para 2019.

No entanto, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), barrou a iniciativa e o reajuste está valendo por força de liminar. O primeiro pagamento será feito em fevereiro – relativo ao salário de janeiro.

Cálculos refeitos pelo Ministério do Planejamento indicavam, nesta quarta-feira (31), que a volta desses reajustes ao Orçamento provocará uma despesa R$ 5,6 bilhões ao governo federal neste ano.

O ministério informou, por meio de nota, que segue tentando derrubar a liminar e que, por obrigação legal, tem que considerar a despesa nas projeções de 2018 até que haja a decisão definitiva do STF.​

Esse aumento de gastos, além de despesas extras com a política de desoneração da folha de pagamentos – também fora da previsão orçamentária – levaram técnicos do governo a avaliar um cancelamento de despesas de R$ 5 bilhões a R$ 8 bilhões.

Os números estão passando por escrutínio e deverão ser fechados na sexta-feira (2).

O cancelamento será necessário, afirmam fontes do governo, apesar da economia com outras despesas, como com previdência, abono salarial e seguro-desemprego.

Conforme mostrou a Folha, com um reajuste menor do salário mínimo e com uma inflação mais baixa do que o esperado, o governo estima economizar cerca de R$ 7 bilhões neste ano em despesas obrigatórias.

Ainda assim, no conjunto, as despesas previstas estão maiores do que o teto de gastos deste ano, de R$ 1,348 trilhão, afirmam essas mesmas fontes.

No Ministério da Fazenda, a principal preocupação são as receitas, que podem ser insuficientes para cobrir todas as despesas do teto de gastos.

Embora a economia esteja se recuperando, o que ajuda na arrecadação de impostos, há riscos no horizonte.

Sem a aprovação a tempo da tributação sobre fundos exclusivos – o que geraria R$ 6 bilhões – e sem a reoneração da folha de pagamentos, até agora sem avançar no Congresso, o governo pode ter uma frustração de R$ 14 bilhões.

Por isso, poderá haver um bloqueio temporário de despesas. Os estudos atuais variam de uma necessidade zero de congelamento até o bloqueio de R$ 3 bilhões.

Em uma outra frente, a ideia é bloquear mais R$ 12 bilhões em despesas e condicioná-las à privatização da Eletrobrás.

A ideia é fazer uma espécie de reserva financeira para o caso de a privatização não ser concluída e esses R$ 12 bilhões não entrarem no caixa.

Dessa forma, o bloqueio poderá somar R$ 15 bilhões, à espera de certezas no campo das receitas.

Fonte: Folha de S. Paulo

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"