Globalização e direitos trabalhistas marcam o primeiro dia do Fórum Sindical Brasil-México 2013

Os debates se concentraram no caráter opressor do neoliberalismo para os trabalhares e na importância do fortalecimento do movimento sindical

No primeiro dia do Fórum Sindical Brasil-México 2013, realizado hoje – 16 de setembro -, no Rio de Janeiro, a globalização, a crise financeira global e suas consequências para os direitos trabalhistas foram os temas principais dos debates, que contaram com a presença de autoridades – como o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) -, dirigentes da CSB e representantes do movimento sindical do México e personalidades mexicanas.

Aldo RebeloApós a abertura oficial do evento, o ministro Aldo Rebelo abriu seu discurso traçando um panorama do processo de globalização desde a antiguidade e as consequências para os trabalhadores, principalmente a globalização econômica, financeira e politica praticada pelos Estados Unidos na América Latina e nos países pobres, o que, segundo ele, fragilizou algumas nações.

Para lutar contra o domínio norte-americano, Aldo Rebelo ressaltou que é preciso transformar a atual agenda de direitos civis presente no Brasil. “Precisamos substituir essa agenda pela coesão de forcas políticas e econômicas para o desenvolvimento do Brasil. Está na hora da agenda da transformação social, pautada pela centralidade da questão nacional, em detrimento do corporativismo”, explicou o ministro.

 A união de forças entre Brasil e México é uma das ferramentas de luta anti-imperialista. “Os dois países, duas civilizações mestiças, fundiram-se a partir de experiências civilizatórias distintas e lutaram pela construção nacional, com desafios e dificuldades. Acredito numa cooperação mais ampla e próxima, até mesmo pelo que nós representamos. Esse evento é uma grande oportunidade para essa cooperação e participação conjunta. Só uma nação soberana pode oferecer garantias aos seus trabalhadores”, destacou Aldo Rebelo.

Debates

O senador Roberto Requião aproveitou o ensejo para enfatizar que a primeira vítima da crise global são os trabalhadores, que têm seus direitos restringidos com a famigerada flexibilização. “Parece haver uma incompatibilidade de origem entre a globalização neoliberal e a manutenção dos direitos trabalhistas e do emprego nos países em desenvolvimento”, argumentou.Roberto Requião

“A defesa dos direitos trabalhistas e do emprego faz parte da grande luta de nossos países pelo desenvolvimento, pela industrialização, pelo avanço tecnológico, pelo estancamento da sangria da remessa de lucro e juros, pela independência, prosperidade, justiça e grandeza de nosso continente”, completou o senador.

Roberto Requião também fez questão de criticar o PL 4330 – que tenta regulamentar a prestação de serviço -, ressaltando que o projeto, se aprovado sem ressalvas, contribuirá para a exploração indecente da mão de obra do trabalhador.

Realidade latino-americana

Antonio Álvarez Sparza, coordenador da delegação mexicana no evento e secretário-geral da Federación Revolucionaria de Obreros y Campesinos de Jalisco, afirmou que o processo de globalização vem avançando, e o cenário no México é de consequências negativas para os trabalhadores. “Vemos o Estado desinteressado, com uma visão centrada no capitalismo”, expôs.

Sparza explicou o sistema previdenciário mexicano, no qual o trabalhador paga seu seguro social para juntar dinheiro e se aposentar. “O governo mexicano trabalha numa legislação de flexibilização dos direitos dos trabalhadores, que perdem seus direitos consolidados”, pontuou. Para ele, a lógica do mercado trouxe a violação dos princípios constitucionais. “Agora, a defesa do trabalhador virou a defesa dos patrões e da pulverização da sociedade”, criticou o secretário.

Mexicanos

O presidente do Movimento de Solidariedade Ibero-americana (MSla), Lorenzo Carrasco, destacou que o imperialismo classifica o trabalho como mercadoria, e isso destrói um princípio natural humano.

“Quando defendemos o trabalho, defendemos o principio do direito. Quando isso se banaliza, estamos perdendo o centro do trabalho, ou seja, a dignidade da pessoa. Pensar no trabalho como mercadoria é acabar com o futuro dos jovens”, reforçou Carrasco.

Para o dirigente, defender o trabalho, as organizações sindicais e os direitos adquiridos é defender a própria nacionalidade que se construiu para defender de forma especial a história e o futuro das nações. “Não existe nacionalidade se não defendermos o trabalho humano, suas organizações e direitos adquiridos. Sem isso, a nação desaba”, sentenciou.

Visão da CSB

Luiz Sergio Lopes, vice-presidente da CSB e coordenador do Fórum no Brasil, mediou a mesa de debates e foi o idealizador do evento na capital carioca. O dirigente explicou que ouvir as agruras por que passam Brasil e México, melhorar a visão ideológica dos dirigentes sindicais, unir as lideranças e estimular sua visão participativa são os princípios da realização do encontro.

“Aqui que se formam as sementes desse movimento para evitar que a crise se aprofunde, porque ela nos atinge diretamente. Porque o homem não tem vez nesse sistema, o que tem vez é o capital”, salientou.

Carlos AlbertoPara Carlos Alberto de Azevedo, presidente da Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL), a luta do movimento sindical deve se consolidar diante do cenário de iminente precarização do trabalho.

“Eventos como esse fórum dão um alerta às organizações, não só nas questões políticas e econômicas, mas também nas trabalhistas e sindicais”, esclareceu.

Alvaro Egea, secretário-geral da Central, concorda com a coalizão de forças para a superação frente ao neoliberalismo e à globalização. Ele criticou a indústria predatória presente no Brasil, na qual 13% das roupas usadas no País são importadas, cerca de 600 milhões de peças. “É fundamental encontrarmos um caminho de unidade para fortalecer a nossa economia e reindustrializar o Brasil no novo padrão tecnológico. Não podemos mais assistir a esse processo de destruição da nossa economia”, criticou.

Alvaro Egea

“Devemos lutar para que governo brasileiro faça um equilíbrio entre o capital e o trabalho. Estamos sempre reagindo por meio do movimento sindical para evitar a desnacionalização da economia e garantir os direitos. Temos pela frente uma grande luta, um exercício de cidadania. É o povo que tem de conter esses desmandos, a força do Brasil está no seu povo”, concluiu Luiz Sergio Lopes.

No segundo dia do Fórum Sindical Brasil-México 2013, haverá o painel O neoliberalismo no Brasil e no México: efeitos e estágio atual, com os economistas Carlos Lessa e Marivilia Carrasco, e o coordenador do Fórum de Guadalajara, Ángel Palacios.

Veja a galeria de fotos do primeiro dia do Fórum Sindical Brasil-México 2013

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)