Fórum Trabalhadores e Trabalhadoras por Verdade, Justiça e Reparação pede punição aos torturadores e empresas que financiaram a ditadura

Grupo reivindica o cumprimento das recomendações do relatório da Comissão Nacional da Verdade

O Fórum Trabalhadores e Trabalhadoras por Verdade, Justiça e Reparação, do qual CSB é integrante, divulgou o manifesto “Pela Continuidade dos Trabalhos de Memória e Verdade, por Justiça e Reparação Perante as Graves Violações Cometidas por Militares e Civis na Ditadura!”. O documento reivindica o cumprimento das recomendações do relatório da Comissão Nacional da Verdade e a instalação de um órgão permanente e controlado publicamente, voltado a dar continuidade aos trabalhos de investigação da CNV.

slogan

O objetivo do grupo é conquistar justiça e reparação, responsabilizando empresas e empresários que colaboraram com a ditadura, perseguindo trabalhadores, delatando, elaborando listas sujas e demitindo. Entre as empresas que contribuíram para a consolidação da ditadura estão a Volkswagen, a antiga Cobrasma (Companhia Brasileira de Materiais Ferroviários), a Aliperti, o Metrô, a Embraer e Docas.

Além disso, a CSB e os demais integrantes do Fórum estão organizando um ato político no dia 26 de agosto, em Brasília, em alusão aos 36 anos da promulgação da Lei de Anistia. O grupo reivindica que o Brasil  cumpra a sentença Internacional  da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que condenou o Brasil a tomar uma série de medidas para a promoção da memória, da verdade e da justiça em relação às graves violações de direitos humanos ocorridas na ditadura militar (1964-1985). A atual lei de anistia brasileira não se aplica aos torturadores brasileiros. Por isso, o Fórum busca uma aplicação de uma nova interpretação a lei  da anistia a luz dessa decisão da corte Internacional. Com a mudança será possível responsabilizar os militares e empresas responsáveis pelas perseguições e torturas contra os trabalhadores e opositores do regime militar.

Para Alvaro Egea, secretário-geral da CSB, o manifesto representa a busca por reparação e justiça.  “Nós queremos fazer cumprir as recomendações das comissões, especificamente sobre os crimes contra os trabalhadores e suas famílias. Nosso objetivo é mobilizar a sociedade e criar uma pressão no governo para que seja criada uma secretaria permanente nacional de reparação e justiça. Os empresários que financiaram a ditadura precisam ser responsabilizados. Buscamos uma reparação coletiva e também a preservação das memórias dos trabalhadores, para que a ditadura não se repita”, afirmou.

“A ditadura não teria sido implementada e se consolidado se não houvesse uma aliança entre os setores empresariais e os militares. Por isso, é absolutamente necessária a responsabilização dos civis colaboradores do golpe e da manutenção do regime militar. Assim como é necessário punir exemplarmente os agentes de Estado que torturaram, sequestraram, estupraram e mataram os presos políticos que estavam sob sua custodia”, disse Egea.

A reparação e responsabilização das empresas que contribuíram com o golpe militar faz parte do processo de democratização do País, explicou Egea. “Precisa haver esse processo de justiça de transição para que o Brasil se torne uma democracia completa. Ainda há muitos traços dos governos militares nas leis nacionais”, completa o dirigente.

Campanha Reparação Já

Confira íntegra do manifesto “Pela Continuidade dos Trabalhos de Memória e Verdade, por Justiça e Reparação Perante as Graves Violações Cometidas por Militares e Civis na Ditadura!”:

Pela Continuidade dos Trabalhos de Memória e Verdade, por Justiça e Reparação Perante as Graves Violações Cometidas por Militares e Civis na Ditadura!

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)