48hours-startup-e1425042797494

Finep prevê investir R$ 450 milhões para apoiar “startups” de tecnologia

Orçamento irá beneficiar projetos promissores em inovação

Empresas nascentes de base tecnológica. Essa é a definição escolhida pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), empresa vinculada ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), para tratar das chamadas “startups”. Está previsto para o mês que vem o lançamento do programa Inova Startup, pelo qual a Finep planeja injetar R$ 450 milhões até 2018 em projetos promissores de inovação.

Apesar de normalmente associado ao segmento tecnológico, o termo “startup” pode servir para qualquer ideia inovadora ou grupo de pessoas à procura de um modelo de negócio. O programa da Finep, entretanto, é limitado às milhares de pequenas empresas de tecnologia que precisam de um empurrão financeiro para desabrochar. A expectativa é que 2 mil delas recebam apoio do Inova Startup até o fim de 2018.

Incipiente e cercado de entraves burocráticos, o setor poderá ter no programa da Finep o “pulo do gato”, segundo definição de seu presidente, Glauco Arbix. Ele explica que um dos principais entraves aos aportes nas “startups” é o impedimento legal para que fundos de investimentos em participações coloquem dinheiro em empresas de capital limitado. Por essa razão, o programa da Finep vai viabilizar os investimentos via aquisição de opções de compra de participação nas empresas.

A transação vai ser feita por meio de um contrato preliminar de aquisição de participação societária. Pelo modelo proposto, a Finep vai trocar R$ 150 mil pela opção de ficar com 5% do capital da “startup” no futuro. Também está prevista a troca de R$ 300 mil por 10%. “Essa é a grande novidade”, disse Arbix, que apresentou ontem o Inova Startup durante a reunião do Conselho Deliberativo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), em Brasília.

A estratégia é realizar em 2015 a versão piloto do programa, pelo qual a Finep pretende desembolsar R$ 15 milhões com investimentos em cem “startups”. “Ninguém conhece esse mercado, por isso vamos avaliar como vai funcionar neste ano”, disse o executivo. Poderão pleitear os aportes – liberados mediante processo de seleção – empresas nascentes de base tecnológica com faturamento anual de até R$ 3,6 milhões.

A escolha das empresas, segundo Arbix, será dividida em duas etapas. Na primeira, serão avaliados a solução inovadora, o produto e o processo, bem como a capacidade tanto da empresa quanto dos empreendedores. Após essa fase, o projeto terá que enfrentar ainda uma banca presencial de examinadores, para a qual serão convidados potenciais investidores privados.

Um dos principais objetivos do programa é facilitar a interação entre startups e outros investidores. No caso da Finep, o aporte nas empresas será reavaliado periodicamente, podendo a empresa estatal se consolidar como sócia minoritária, revender sua participação a outros interessados ou, num cenário em que a “startup” naufragar, simplesmente sair do negócio.

De acordo com Arbix, o programa foi bem recebido na reunião do Sebrae, da qual também participaram o ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos, e o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade. O Sebrae vai participar em várias frentes do programa, desde a divulgação até o treinamento dos empreendedores para a preparação das apresentações às bancas.

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra