“É fundamental estruturar o Ministério do Trabalho para combater os desvios”, afirma Neto em audiência da MP 665

Evento realizado na Comissão Mista debateu as consequências da Medida aos trabalhadores

Representantes das centrais sindicais participaram da audiência pública da Comissão Mista da Medida Provisória nº 665 (CMMPV665/2014)do Senado, nesta terça-feira, dia 7 de abril.  Na audiência, o movimento sindical e entidades representativas de trabalhadores pediram aos parlamentares que compõem a Comissão a revogação da MP, que altera as regras para concessão do seguro-desemprego, do abono salarial e do o seguro-defeso dos pescadores artesanais.

_MG_7740

A Medida Provisória 665 foi anunciada no final de 2014 e redigida sem debate com as centrais. De acordo com o movimento sindical, a medida é classificada como contrária ao próprio significado da seguridade social, que é o de garantir condições dignas de sobrevivência ao trabalhador em situações de vulnerabilidade, conforme previsto na Constituição Federal.

_MG_7699

Antonio Neto, presidente da CSB, foi convidado pela Comissão e falou durante a audiência. Para o dirigente, a MP foi criada sem estudos e retira direitos já conquistados pelos trabalhadores. “O governo, com essa ação, quer acertar o déficit orçamentário – que é de R$ 60 bilhões – , mas essa conta não tem que ficar com os trabalhadores. Temos uma série de casos de desvios de arrecadação de impostos, e é preciso tributar as grandes fortunas”, declarou.

Segundo Neto, o MTE é ferramenta indispensável na defesa dos trabalhadores. “É fundamental estruturar o Ministério do Trabalho para combater desvios no FGTS. Se há fraudes no seguro-desemprego ou nos demais benefícios, é preciso que haja mais fiscalização. É necessária uma modernização já, só assim não haverá mais desvios”, argumentou o dirigente.

As novas regras estabelecidas pela MP 665 começaram a valer em março deste ano. Segundo dados do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat), para o primeiro acesso ao seguro-desemprego, 42% dos beneficiados seriam excluídos do programa. Deste montante, 44% são jovens. O estudo aponta ainda que, no segundo acesso ao benefício, 29% dos trabalhadores seriam impedidos de receber o seguro-desemprego.

_MG_7866

De acordo com o presidente da CSB, essa medida irá gerar mais desemprego. “Cerca de 60% das pessoas que poderiam acessar o seguro-desemprego não conseguiram acessar. E nós sabemos que 64% dos desempregos do Brasil são gerados por 6,2% das empresas. É preciso que as empresas com um alto grau de rotatividade sejam punidas. Também é preciso ratificar a Convenção 158 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que impede as demissões imotivadas e arbitrárias”, argumentou.

“O movimento sindical tem meios e propostas para controlar os desvios do seguro-desemprego e dos demais benefícios. Não dá para nós, trabalhadores, sermos os pagadores dessa conta, ainda mais nesse período de crise”, afirmou Neto.

De acordo com o deputado Zé Geraldo (PT/PA), presidente da sessão, todas as sugestões apresentadas pelas centrais serão encaminhadas para os ministros. “Nós abrimos um canal de diálogo com o governo, pois é uma medida que enfrenta forte resistência social e atinge a população mais carente. Precisa haver mudanças nessa medida”, disse o parlamentar.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)