csb-motociclista-brasil-27-julho

Dia do motociclista: conheça as lutas e os desafios da categoria

CSB reconhece a importância social e econômica destes profissionais e segue firme na luta pela manutenção e ampliação dos direitos de todos os trabalhadores e trabalhadoras

 

Mais de um milhão de profissionais comemoram em 27 de julho o Dia do Motociclista. Para celebrar a data, convidamos o presidente da Federação Interestadual das Regiões Norte e Nordeste dos Trabalhadores em Transportes de Mototaxistas, Motoboys, Moto-fretes e Taxistas (Fenordest), Pedro da Silva Mourão, para analisar os desafios e conquistas da categoria na conjuntura atual.

Leia a íntegra da entrevista.

CSB – Como a Lei 12.009/2009, que regulamentou a profissão, ajudou no dia a dia dos motociclistas?

Pedro Mourão – O número de acidente diminuiu muito com a regulamentação da profissão de mototaxista e motofrentista, que são motociclistas profissionais. A lei determinou que o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) regulamentasse os cursos de qualificação profissional. A Resolução 356 fala dos equipamentos de segurança e a Resolução 410 [ambas do Contran] fala do curso de capacitação ministrado pelo Detran e autorizado pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Então, a regulamentação da atividade foi determinante para que esses profissionais se qualificassem e a gente tenha um trabalho mais seguro para todo mundo.

CSB – Apesar da Lei 12.997/2014, muitos profissionais não recebem o adicional de periculosidade. Poderia nos contar qual é a situação atual?

P.M. – A nossa maior dificuldade hoje é que a Lei 12.997, que regulamentou a periculosidade e destinava o adicional de insalubridade ao motociclista profissional, não foi regulamentada pelo Ministério do Trabalho, então muitos trabalhadores deixaram de receber esse adicional de 30%.  O artigo 196 da CLT diz que a regulamentação de periculosidade tem que ser expedida por uma norma do Ministério do Trabalho para dizer quem é que tem direito e quem é que não tem direito. Em 2014, o Ministério do Trabalho baixou a portaria, foi criada comissão tripartite, que inclusive eu participei da mesa de negociação, mas as empresas conseguiram na Justiça suspender essa portaria. Então, muitas empresas não estão pagando a periculosidade por conta dessa suspensão. De 2015 até ano passado, foi criada nova tripartite, mas o Ministério do Trabalho ainda não expediu a nova portaria, muito embora tenha sido aprovada a proposta.

CSB – Existe alguma outra grande dificuldade da categoria?

P.M. – É conscientizar os poderes públicos de ter uma campanha de orientação ao motociclista profissional ou então ter uma politica pública para o motociclista profissional. [Não há] nenhuma campanha de incentivo para a renovação de frota para ter mais segurança, [e] financiamento.

CSB – Como a reforma trabalhista impactou os motociclistas?

P.M. – Mudou principalmente a questão das convenções coletivas, dos celetistas, a gente tem muita dificuldade de fazer valer o que está nas convenções e colocar alguma garantia. Com a nova legislação trabalhista, fica muito difícil para a gente negociar porque o patrão tem a opção de negociar praticamente de forma individual com cada trabalhador. Para nós é muito difícil conseguir homologação de convenção coletiva e financiamento sindical. Com a reforma trabalhista, os profissionais ficaram praticamente sem amparo legal dos sindicatos. Além dos direitos que perdemos com a regulamentação do trabalho intermitente, de redução de hora do almoço e da terceirização.

CSB – Poderia deixar uma mensagem para homenagear os motociclistas?

P.M. – Gostaria de parabenizar todos os motociclistas profissionais, em especial os nossos mototaxistas e motofrentistas do Norte e Nordeste, que são da base da nossa Fenordest. Queria deixar um incentivo de continuar a luta e dizer que a nossa federação está do lado dos trabalhadores. Podem contar com a gente, vamos estar sempre lutando pelos nossos sindicalizados. Importante frisar que nós, trabalhadores de forma geral, devemos continuar sempre de cabeça erguida.

A CSB parabeniza os motociclistas, trabalhadores fundamentais para a agilidade e eficiência no dia a dia dos brasileiros. Para comemorar a data, a Central também preparou um conjunto de peças para as redes sociais. Acesse abaixo e divulgue para a sua base.

Capa para Facebook

Arte para Whatsapp

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO