Desemprego no Brasil cresce e 1,1 milhão de brasileiros perdem o emprego

Dados do Caged são os piores para esses dois meses desde 1992

O Brasil fechou 1,1 milhão de postos de trabalho com carteira assinada apenas nos meses de março e abril deste ano. Foi quando tiveram início as medidas de isolamento necessárias para conter o avanço do novo coronavírus, desemprego avança com falta de coordenação do governo

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) foram divulgado nesta quarta-feira pelo Ministério da Economia.

Em março e abril de 2020, houve 2.760.754 contratações e 3.085.927 demissões no país. Apenas em abril, foram fechados 860 mil postos de trabalho no Brasil, também pior resultado em 29 anos.

Já nos primeiros quatro meses deste ano, o país fechou 763.232 vagas com carteira assinada, outro resultado pior deste o início da série histórica. No mesmo período de 2019, o Caged registrou um saldo positivo de 313 mil postos. Em um ano, por conta da crise causada pela pandemia do coronavírus, as admissões caíram 9,6% e as demissões subiram 10,5% no Brasil.

Em março e abril, todas as categorias consideradas pelo Caged registraram mais demissões. O número foi puxado pelo serviços, que contou 458.766 vagas a menos. O número é seguido pelo comércio (296.056), indústria (223.516), construção civil (79.903) e agricultura (9,624).

Entre os estados, São Paulo puxou o resultado negativo do emprego. Foram 336.755 demissões. Na segunda pior posição, o Rio de Janeiro fechou 110.067 postos com carteira assinada em março e abril deste ano.

Segundo os dados do governo, o Brasil tinha, no fim de abril, 38 milhões de trabalhadores empregados com carteira assinada.

Dados atrasados

Essa é a primeira vez que os dados do Caged são divulgados desde o início da crise causada pelo coronavírus. As informações sobre empregados e desempregados não era divulgada desde janeiro deste ano, com dados relativos a dezembro.

Para atrasar a divulgação dos dados por quatro meses, o Ministério da Economia justificou uma a falta de prestação das informações sobre admissões e demissões por parte das empresas. Esses dados são de envio obrigatório e de responsabilidade das empresas.

Durante os meses, disse o ministério, as informações estavam sendo apresentadas com subdeclarações se concentram nos dados de desligamentos, o que poderia apresentar um saldo de emprego formal superior ao real.`

O Caged divulgadou nesta quarta-feira também é o primeiro após o preenchimento de informações da base de dados passar para o eSocial. Com a mudança, o cumprimento de 13 obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas fica centralizado em um só sistema.

O novo Caged também agrupou e setores da economia. Até dezembro passado, eram oito: Comércio, Serviços Industriais de Utilidade Pública, Extrativa Mineral, Administração Pública, Agropecuária, Construção Civil, Indústria de Transformação e Serviços.

Agora, os dados estarão na mesma divisão feita pelo IBGE. São eles: Comércio, Serviços, Indústria Geral, Construção Civil e Agricultura.

Fonte: O Globo (texto adaptado)

 

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)