demissao-sem-justa-causa-stf-o-que-pode-mudar

Demissão sem justa causa será julgada pelo STF ainda este ano; o que pode mudar 

O Supremo Tribunal Federal deve encerrar ainda no primeiro semestre de 2023 um julgamento que se arrasta há 25 anos a respeito de demissões sem justa causa.  

Desde 1997, os ministros discutem a ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 1.625, que questiona um decreto de Fernando Henrique Cardoso que cancelou a adesão do Brasil à Convenção 158 da OIT (Organização Internacional do Trabalho). 

A 158 define regras para que o empregador encerre contratos com seus funcionários. Em relação à justa causa, um de seus artigos diz:  

“Não se dará término à relação de trabalho de um trabalhador a menos que exista para isso uma causa justificada relacionada com sua capacidade ou seu comportamento ou baseada nas necessidades de funcionamento da empresa, estabelecimento ou serviço.” 

O julgamento da ADI 1.625 foi retomado no ano passado, mas novamente paralisado após pedido de vista do ministro Gilmar Mendes. No entanto, entrará em vigor em 2023 uma nova regra regimental que dá o prazo máximo de 90 dias para que um ministro devolva ou vote o processo. Caso isso não aconteça, ele é automaticamente liberado para voltar à pauta. 

Neste caso, se Gilmar Mendes não devolver o processo até abril, dependerá da presidente da Corte, ministra Rosa Weber, definir quando colocá-lo em julgamento virtual ou em discussão no plenário. 

Decisões possíveis 

Os ministros Rosa Weber e Ricardo Levandowski e o ex-ministro Joaquim Barbosa já votaram e consideraram que o decreto de FHC precisaria ter passado pelo Congresso Nacional para ter validade. Como não foi o caso, o decreto foi declarado inconstitucional. 

Caso esse entendimento seja majoritário, o advogado Luiz Antonio Franco, sócio trabalhista do escritório Machado Meyer, vê ainda outras indefinições. Uma possibilidade seria colocar em xeque todas as demissões sem justa causa recentes. 

“Sem modulação, todas as demissões dos dois anos anteriores poderiam ser discutidas”, afirma. 

A modulação é a etapa em que o STF estabelece limites para aplicar um entendimento definido em um julgamento. O prazo de dois anos é a chamada prescrição, o tempo máximo, a partir do fim do contrato, para um trabalhador discutir judicialmente direitos. 

O advogado Cassiano D’Angelo, sócio trabalhista do escritório Guadêncio, considera improvável que o Supremo finalize esse julgamento sem que haja uma modulação. Esses parâmetros podem incluir, por exemplo, a aplicação da regra apenas a grandes empresas, carreiras organizadas ou a partir de um certo número de funcionários. 

Como ainda faltam votos de três ministros – Alexandre de Moraes, Kassio Nunes e André Mendonça – e os que já se manifestaram podem mudar seus entendimentos até o fim, o resultado final segue imprevisível. 

Fonte: Folha de S.Paulo

Veja também: Prevista pela CLT, folga quinzenal aos domingos é tema de discussão no STF

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra