Déficit habitacional cai 10,7% entre 2010 e 2014

O déficit habitacional brasileiro registrou queda de 10,7% entre 2010 e 2014, embora ainda seja expressivo e corra riscos de retrocesso em meio ao cenário recessivo e de corte de despesas do governo federal.

Estudo da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), mostra que, após andar de lado no período anterior, o déficit habitacional no país caiu a uma taxa de 2,8% ao ano entre 2010 e 2014 ou o equivalente a 742,4 mil famílias fora dessa estatística no período. Em números absolutos, a queda foi de 6,941 milhões de famílias vivendo de modo inadequado em 2010 para 6,198 milhões em 2014.

teA política habitacional de interesse social do governo ­ voltada basicamente para famílias cuja renda total vai até 3 salários mínimos ­ foi fundamental para a redução desse déficit, diz Carlos Eduardo Auricchio, diretor do Departamento da Indústria da Construção da Fiesp. “Sem dúvida, o programa Minha Casa, Minha Vida foi o grande vetor dessa queda.”

O temor é que a redução no ritmo de obras e o desemprego façam o setor andar para trás. O problema está concentrado nas áreas urbanas e a elevação do desemprego pode trazer ainda mais gente para os grandes centros. Cerca de 90% do déficit habitacional se concentrava na área urbana em 2014. No Sudeste, essa taxa chegava a 98% e, em São Paulo, a 98,7%.

Pelo volume de contratações de obras para habitação popular visto ao longo de 2014, Auricchio estima que o déficit deve ter continuado a cair em 2015 em ritmo semelhante ao desenhado entre 2010 e 2014. “A sensibilidade do setor é que as contratações caíram de modo significativo em 2015 e isso traz muita preocupação para 2016 e 2017.” Auricchio defende transformar os programas habitacionais do governo em programas de Estado, além do estímulo às parcerias público­privadas (PPPs) habitacionais, ainda tímidas no Brasil.

A queda do déficit habitacional ocorreu em todas as regiões do país, com destaque para as mais pobres. No Norte, a redução chegou a 6,4% ao ano, ou o equivalente a 192 mil famílias. No Nordeste, a queda foi de 3% ao ano, com destaque para a Bahia, em que 115,6 mil famílias passaram a ter moradia.

O Sudeste não apresentou números tão expressivos. A taxa média de queda foi de 1,1% ao ano entre 2010 e 2014, passando de 2,674 milhões para 2,562 milhões de famílias. No Rio, a queda foi de 2,2% ao ano, para um déficit habitacional total de 472 mil famílias. Já em São Paulo, a queda foi de 1,1% ao ano, com déficit de 1,432 milhão.

Em termos relativos, porém, os maiores déficits continuam concentrados nas regiões mais pobres do país. No Norte, faltam moradias para 11,9% das famílias. No Amazonas, essa proporção chega a 14,6%. No Nordeste, o déficit atinge 10% das famílias, com destaque para o Maranhão, Estado com o maior déficit habitacional do país (18,1% das famílias). Na outra ponta, faltam moradias a 6,2% das famílias do Sul ­ abaixo da média nacional, de 8,8% das famílias no déficit habitacional em 2014.

Com base na Pnad, o levantamento aponta ainda que o ônus excessivo com aluguel é o grande fantasma dos que moram de modo inadequado, ao atingir famílias que comprometem mais de 30% da renda com esse tipo de despesa. O problema foi mencionado por 50% das famílias que compõem o déficit e atinge 4,6% do total das famílias no país. Sudeste e Centro­Oeste puxaram essa relação, com destaque para o Distrito Federal.

Na coabitação familiar, havia 30,2% das famílias que compunham o déficit total, com destaque para a região Norte (Amazonas e Amapá). O estudo ressalta que pode haver famílias que são afetadas por dois componentes, como alugueis caros e coabitação.

Ana Maria Castelo, coordenadora de projetos de construção da FGV, lembra que o déficit ainda é alto e contém desafios importantes, sendo o maior deles o gasto com aluguel, componente essencialmente urbano puxado pela terra mais cara e pelo desejo das famílias de morar em regiões com melhores ofertas de trabalho. “À medida que a renda das famílias cai, esse ônus pode assumir dimensão ainda maior”, diz Ana Maria. Para ela, o déficit precisa ser encarado pelos municípios das regiões metropolitanas em parceria com Estados, União e entes privados. “Difícil imaginar que a solução vai sair de um ente público sozinho.”

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"