Decreto de Temer repassa dinheiro do Sistema S para empresários e inviabiliza capacitação de trabalhadores

Manobra foi acertada entre empresários e governo logo após a aprovação da reforma trabalhista

 

O presidente Michel Temer assinou um decreto, publicado em fevereiro, que autoriza a destinação de uma parcela dos recursos de qualificação dos trabalhadores rurais para entidades patronais do setor agrícola. A manobra foi articulada entre organizações empresariais e o governo logo após a sanção da reforma trabalhista.

A decisão obriga a entidade do setor agrícola do Sistema S (Senar) a repassar até 5% do orçamento para a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e outros 5% para as federações estaduais.

De acordo com dados fornecidos pela Receita Federal, o Senar recolheu R$ 829,1 milhões em 2017. Antes do decreto, no mesmo ano, o maior repasse do Senar (R$ 73,3 milhões) foi para o programa de qualificação profissional do trabalhador.

A Central dos Sindicatos Brasileiros condena veementemente o repasse porque considera inadmissível a destinação de um montante dessa magnitude ao setor patronal. O decreto privilegia quem já tem dinheiro e impossibilita que trabalhadores possam se capacitar e, assim, terem uma vida mais digna.

Para a Entidade, retirar a assistência social e recursos de setores importantes e que carecem de mais investimentos significa que o Sistema S está desviando do seu propósito, que é a qualificação, para beneficiar os ricos.

Sistema S

O Sistema S começou a ser estruturado no País em 1942 para oferecer uma rede de ensino que melhorasse a produtividade da mão de obra e serviços culturais e de lazer com financiamento garantido, mas sem depender da gestão pública.

Porém, o percentual de cursos gratuitos oferecidos pelas entidades é extremamente baixo. A cobrança de mensalidades afasta pessoas sem recursos que precisam se capacitar e coloca em xeque o interesse público que justifica o repasse de verbas ao sistema.

Ainda em 2017, a Receita Federal distribuiu às nove instituições beneficiadas pelo Sistema S um valor de R$16 bilhões. O Sesc (R$ 4,89 bilhões) é o que mais recolhe dinheiro. O Sebrae (R$ 3,296 bilhões) é o segundo. Na sequência estão Senac (R$ 2,738 bilhões), Sesi (R$ 2,087 bilhões), Senai (R$ 1,464 bilhão), Senar (com os R$ 829,1 milhões), Sest (R$ 498,6 milhões), Sescoop (R$ 352,96 milhões) e Senat (R$ 312,9 milhões). Em 2016, o Sistema S arrecadou 4,5 vezes mais do que a contribuição sindical.

 

Compartilhe:

Leia mais
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande