clip_image003-e1418221816557

CSB-RJ promove seminário sobre a Reforma Política

Edição carioca do evento, em parceria com a Fundação Ulysses Guimarães, reuniu dirigentes sindicais do Estado e discutiu a importância do projeto para o movimento sindical

A seccional da CSB no Rio de Janeiro sediou o Seminário A Reforma Política e o Movimento Sindical, iniciativa da Central para debater os principais temas do projeto e elencar os fundamentos essenciais para o movimento sindical.

Dirigentes sindicais do Estado assistiram à palestra ministrada pelo presidente Antonio Neto e debateram temas como a necessidade da participação sindical nos pleitos eleitorais. A atual legislação eleitoral impede que uma categoria profissional contribua com um candidato e seu projeto de governo. Além disso, proíbe que uma entidade de classe tenha representantes que disputem mandato.

Para o presidente da CSB, o sistema vigente – ao mesmo tempo em que prestigia a contribuição do setor privado, de pessoas jurídicas, alinhando as candidaturas a interesses econômicos, – criminaliza as entidades sindicais.

CSB Rio“O momento no Brasil exige a participação do movimento sindical. Temos que ir para as ruas e levantar estas questões que são fundamentais para a consolidação da democracia”, afirmou Neto. A vice-presidente da Central, Maria Barbara da Costa, elogiou a proposta da CSB de debater a Reforma Política, que, segundo ela, é um tema urgente na pauta da sociedade brasileira.

Processo eleitoral

Outro tema evidente nas discussões sobre a Reforma Política versa sobre a cláusula de barreira e a fidelidade partidária. O primeiro ponto trata de uma norma que impede ou restringe o funcionamento parlamentar ao partido que não alcançar determinado percentual de votos. O segundo corresponde à fidelidade partidária.

Sobre as possibilidades de voto no sistema eleitoral, o vice-presidente nacional da CSB, Antonio Jorge Gomes, lembrou que a maioria dos eleitos obteve mandato por média, e não por voto direto. “Ou seja, o cidadão escolhe um candidato, vota nele, e elege outro. Isso não tem nada de democrático”, salientou.

Para Antonio Neto, os remendos na lei eleitoral geraram uma legislação que deturpou o sistema. “Há a multiplicação de partidos em busca do fundo partidário, acabando com a fidelidade partidária, além de alianças despudoradas e composições para atender aos interesses locais”, pontuou.

Mercantilização eleitoral

Antonio Neto explicou que o financiamento das campanhas eleitorais atual apresenta uma questão complicada. “A influência do poder econômico sobre a política acaba causando uma mercantilização eleitoral, o que gera desigualdades na representação”, destacou.

O secretário nacional da juventude da CSB, Marcelo Gonçalves, criticou o sistema. “Nenhum candidato no Estado do Rio de Janeiro fez votação acima de 15 mil votos sem máquina. Foi a eleição mais cara e desigual da história, e tudo isso afeta não somente a composição do Congresso, como o torna um dos mais conservadores desde da redemocratização”, reiterou.

Para o presidente da Central, por conta das constantes denúncias de corrupção em todas as esferas da administração pública, a descrença da sociedade brasileira aumentou demasiadamente, fato que cria um cenário perigoso. “Ficamos diante de um terreno fértil para a supremacia do totalitarismo e do oportunismo. Frente a este panorama, pontuamos e colocamos à luz do debate a questão do financiamento público”, disse.

Estratégias e amplo debate

A Reforma Política é uma das principais pautas da CSB para 2015. Como proposta de atuação, a Entidade conclama as suas bases a debater o tema, com a realização de um seminário nacional no próximo ano para discutir os temas e elaborar um relatório da Central, que será apresentado à Fundação Ulysses Guimarães e também a outras entidades sindicais e de importância para a sociedade, além dos partidos políticos.

“Este seminário é importante para ampliar a discussão. O ponto principal é estimularmos e abrirmos o debate, conscientizarmos a população sobre a importância e necessidade da Reforma Política. A iniciativa é essencial para convidar a sociedade a conhecer as propostas que estão em destaque e, consequentemente, poder influenciar neste processo”, finalizou Antonio Neto.

A CSB também realizou o Seminário A Reforma Política e o Movimento Sindical em São Paulo. Clique aqui e leia a matéria na íntegra.

Leia mais sobre a reforma política

Responda ao questionário da Fundação Ulysses Guimarães

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra