CSB participa de audiência pública no Senado para debater a reforma trabalhista

Central pediu a suspensão imediata da tramitação do projeto na Casa

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado (CDH) realizou, nesta terça-feira (23), audiência pública para discutir a reforma trabalhista, que está em tramitação na Casa. Representantes dos trabalhadores e movimentos sociais participaram do debate e se posicionaram contrários à proposta do governo.

A Central dos Sindicatos Brasileiros foi representada pelo vice-presidenteFlávio Werneck. Em sua participação, o dirigente se posicionou contrário à retirada de direitos proposta tanto pela reforma trabalhista quanto a previdenciária. “Todos os pontos apresentados pela proposta da reforma trabalhista representam a precarização. Nós, da CSB, queremos a suspensão imediata da tramitação das reformas da Previdência e trabalhista. Estamos em período de instabilidade e ilegitimidade política, não podemos permitir que a proposta de um governo que não representa a vontade da população continue tramitando no Congresso”, disse.

No Brasil, há 14 milhões de desempregados. De dezembro de 2015 a dezembro de 2016, cerca de 1,2 milhão de postos de trabalho foram fechados no País. “O governo precisa fazer algo para combater o desemprego e retomar o desenvolvimento econômico e tecnológico, porém nenhuma das soluções apresentadas pelo governo resolvem o problema do desemprego. As reformas não foram e nem tiveram o debate adequado com quem será diretamente afetado, que são os trabalhadores. São medidas que foram criadas por banqueiros e empresários. E eles querem enfiar goela abaixo um sistema de trabalho quase feudal, que tem por objetivo apenas o enriquecimento e aumento das margens de lucro dos bancos e empresas”, avaliou Werneck.

Para o vice-presidente da CSB, a reforma também vai acabar com a empregabilidade estável e com os postos de trabalho fixos, levando os trabalhadores à “sobreviverem de bicos”. Werneck avaliou que as novas modalidades de emprego regulamentadas pelo projeto também prejudicarão a economia ao fragilizar a segurança financeira das famílias. “Queremos emprego de qualidade, não um emprego qualquer. Qual trabalhador com contrato em tempo parcial, intermitente ou terceirizado pode ter a tranquilidade de comprar uma geladeira, um automóvel em 30 prestações? Quem vai ter a tranquilidade de entrar em um financiamento da casa própria? Não vai fazer. Temos que continuar a lutar contra os retrocessos”.

Compartilhe:

Leia mais
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande