CSB-GO-e-SINPROEGO-lutam-por-melhores-condicoes-de-trabalho-para-peoes-de-rodeio

CSB-GO e SINPROEGO lutam por melhores condições de trabalho para peões de rodeio

Segundo presidente do sindicato, os trabalhadores estão desprotegidos, principalmente em casos de acidentes

Uma média de três a quatro acidentes por semana e uma a duas mortes por ano, somente em Goiás, em mais de 1.300 rodeios realizados no país anualmente, acenderam o alerta da Seccional Goiás da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e do Sindicato dos Profissionais de Rodeio do Estado de Goiás (SINPROEGO) para a situação destes profissionais que atuam nesses eventos. Muitas vezes, nada recebem, contrariando o que diz a Lei 10220/2001, que regularizou a profissão.

Segundo o presidente do SINPROEGO, Washington da Silva Andrade, atualmente, o único sindicato atuante da categoria no País, juntamente com a Central, luta pela aprovação do Projeto de Lei 7371/2017, que muda o peão de rodeio e os vaqueiros de vaquejada de trabalhadores autônomos para trabalhadores avulsos.

“Hoje temos uma média de 1.500 eventos por ano no País. Neste contexto, temos uma lei[10.220/01] que regulariza, mas não regulamenta a profissão. Dentro desta lei, fica obrigatório o contrato de prestação de serviço entre o peão e a organização com direito a seguro. Mas de 2001 pra cá nunca teve essa contratação, ou seja, os peões não são remunerados para prestar aquele serviço. Hoje, ele é convidado para participar e tentar ganhar o prêmio. Quando ele se machuca, o organizador se isenta da responsabilidade”, falou Andrade. Ele explica o que mudaria com a nova lei.

“Temos uma exploração da mão de obra desses trabalhadores rurais. Quando ele se machuca, ele precisa recorrer a ONG’s, pois eles não recebem, e logo não contribuem para a Previdência. Hoje este peão é autônomo, mas não se tem nenhum critério para colocar para montar. Podem colocar qualquer um para montar, sem nenhum tipo de certificação ou qualificação. Não existe também uma negociação com o representante da categoria. Como avulso, ele terá mais segurança jurídica, pois toda negociação vai acontecer pelo sindicato. Como autônomo, o Ministério Público não reconhece a competência do Sindicato nesta intermediação. Avulso, os organizadores passam a ser obrigados a fazer essa negociação”, disse o presidente do SINPROEGO.

Atualmente na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP) da Câmara dos Deputados, o PL de autoria de Veneziano Viral do Rêgo (PMDB/PB) tem como relator o parlamentar Jovair Arantes (PTB-GO), que deve realizar audiência pública ainda este ano.

“A CSB deve nos ajudar na articulação na Câmara. Eu acredito que depois da audiência pública temos que fazê-lo caminhar”, finalizou o dirigente que também é 2º secretário de Transportes Trabalhadores Autônomos da Seccional Goiás da CSB.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra