71e871e5-4d1c-4cfb-a3ef-5cdc519e2459-e1480331071270

CSB e Fenordest defendem adicional de periculosidade à categoria dos motociclistas

Debate reuniu representantes dos trabalhadores, empresas e governo para discutir a regulamentação da Lei 12.997/2014 com a aprovação da NR-16

Na luta pela regulamentação da Lei 12.997/2014, que considera perigosas as atividades de trabalhador em motocicleta, a CSB participou, nesta quinta-feira (24), da segunda reunião entre governo, representantes das empresas e movimento sindical a respeito do tema. Para os dirigentes sindicais, é direito dos motociclistas contemplados pela legislação o recebimento do adicional de periculosidade de 30%.

Integrante do grupo tripartite responsável por debater a necessidade da aprovação da Norma Reguladora Nº 16 (NR-16) para regimentar a Lei 12.997, Pedro Mourão, presidente da Federação Interestadual das Regiões Norte e Nordeste dos Trabalhadores em Transportes de Mototaxistas, Motoboys, Moto-fretes e Taxista (Fenordest) e vice-presidente da CSB, afirma que o benefício não resolve todos os problemas da categoria, mas, ainda assim, possui uma importância legítima para o exercício digno da profissão.

“O ideal que a Fenordest defende é além do pagamento do adicional, o pagamento pelas empresas de um seguro de vida para a família do trabalhador não ficar desamparada caso ele chegue a óbito, já que é uma atividade reconhecidamente considerada de risco pela lei brasileira. Mas um ganho de mais 30% sob o salário desses trabalhadores já significa muito para eles, representa um avanço na qualidade de vida”, avalia Mourão.

Esta não é a primeira vez que a categoria luta pelo cumprimento da legislação. Acrescentando o parágrafo 4º ao art. 193 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), a primeira tentativa de regulação da Lei 12.997/2014 foi derrubada por liminares fruto de ações judiciais abertas pelo patronato – fato que aciona um sinal de alerta ao movimento sindical de acordo com o dirigente.

“Devido à resistência das empresas, é importantíssima a presença de todas as centrais nestas reuniões, porque, hoje, só alguns trabalhadores recebem a periculosidade. Então, é nossa responsabilidade participar do debate e defender a categoria. Aproveito para agradecer à CSB a oportunidade de estarmos representando os trabalhadores. Vamos conseguir o benefício para todo mundo”, assegura.

Ainda segundo o vice-presidente da Central, o Ministério do Trabalho e Emprego demonstra apoio à reivindicação dos motociclistas, mas continuará mantendo o diálogo aberto com todos os lados. Sendo assim, a próxima reunião do grupo já tem data marcada para o dia 09/02 de 2017.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra