MG_7587-e1428495809479

CSB e entidades de TI se reúnem com Leonardo Picciani para debater a desoneração

Projeto de Lei aumenta a alíquota de imposto para 4,5%. Representantes entregaram ao relator documento que pede a manutenção do índice em 2% para o setor

A CSB, a Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES), a Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (ASSESPRO) e a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (BRASSCOM) se reuniram com o deputado federal Leonardo Picciani (PMDB-RJ) para debater o Projeto de Lei 863/2015, que trata do aumento da carga tributária sobre o sistema de desoneração da folha de pagamento de 56 setores da economia brasileira. No encontro, os representantes das entidades entregaram a Picciani, relator do projeto, um documento que propõe emendas ao PL no que diz respeito ao setor de Tecnologia da Informação.

Na proposta, as entidades pedem a manutenção da alíquota de 2% e da obrigatoriedade da contribuição previdenciária patronal sobre a receita bruta para o setor de serviços de TI e TIC, uma vez que o Projeto de Lei eleva para 4,5% a faixa do imposto a ser pago pelas empresas.

_MG_7591Segundo os representantes, a desoneração da folha para o segmento de TI contribuiu, de maneira positivamente impactante, em política pública estruturante para o setor, uma vez que contribui decisivamente para a competitividade do Brasil, por intermédio da inovação tecnológica e de processos, e estimula o crescimento com geração de empregos de qualidade e alta remuneração.

Estudo feito pelas instituições mostra que o setor de serviços de TI e TIC apresentou resposta extremamente satisfatória à política do Plano Brasil Maior. A evolução dos Serviços de TI no período de 2010 a 2013 foi expressiva, segundo o levantamento. A receita cresceu 15,7% ao ano, atingindo R$ 47,5 bilhões.

Ainda neste período, foram gerados cerca 75 mil empregos com aumento real da renda e crescimento de 32% na remuneração média anual, atingindo R$ 47.250, cerca de 2,2 vezes a média nacional. O total de remunerações pagas pelo setor cresceu 17,5% ao ano, acima do crescimento da receita.

Sob estes aspectos, Antonio Neto, presidente da CSB, afirma que elevar a alíquota de imposto para o setor representa o retrocesso em um cenário favorável na área para o Brasil. “Mostramos que a desoneração construiu um panorama de crescimento para TI e TIC, com a geração de empregos, aumento da renda dos trabalhadores e plena contribuição para o desenvolvimento da economia brasileira”, disse.

_MG_7615“A desoneração foi fundamental para o segmento e muito vantajosa também para o governo, que consegue ter uma boa arrecadação mesmo com a redução de impostos, pois o setor de TI é superavitário. Aumentar o imposto vai gerar demissões e frear o desenvolvimento de uma área importantíssima para o País”, completou Neto.

Diálogo

Leonardo Picciani manifestou apoio à importância do setor de TI em toda a economia e se comprometeu a analisar a questão com responsabilidade e cuidado. O relator afirmou que buscará o diálogo com todos os setores envolvidos, tanto governo, parlamentares e também as entidades setoriais, para encontrar uma alternativa que assegure o balanceamento dos termos do projeto.

Picciani ressaltou ainda que o PL 863/2015 não permanecerá da forma como foi apresentado ao Congresso e confirmou que haverá modificações. Segundo o deputado, a negociação será a base para encontrar uma resolução justa à questão, uma vez que é necessária a preservação da política de ajuste, mas sem prejuízo aos segmentos envolvidos.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra