1-e1392032156283

CSB e centrais se reúnem com vice-governador do Rio de Janeiro

Reunião proposta por Luiz Fernando Pezão serviu para estreitar as relações do governo com o movimento sindical

No dia 28 de janeiro, a CSB e as centrais sindicais se reuniram com o vice-governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), para consolidar o canal de interlocução do governo com o movimento sindical. A iniciativa partiu de Pezão e teve amplo apoio do deputado federal Leonardo Picciani (PMDB-RJ). O vice-governador substituirá Sérgio Cabral (PMDB-RJ) no comando do Estado a partir de março.

A CSB-Rio compareceu ao evento com a diretoria e mais de 40 sindicatos da base no Estado. Os vice-presidentes Luiz Sergio Lopes, Maria Barbara da Costa e Alcir da Costa Albernoz; o secretário nacional da juventude, Marcelo Gonçalves; o assessor parlamentar Ernesto Pereira; Claudemis Lopes da Cunha, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas, Cursos e Treinamento de Informática, Lan House, Cyber Café, Manutenção e Reparação de Máquinas de Escritórios do Estado do Rio de Janeiro (Sindierj); Evaldo Valladão, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Engenharia e Segurança (SOBES); e Everton Gomes, diretor do Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Rio de Janeiro (Sindpol-RJ) representaram a Central no encontro com o futuro governador.

PMDB Sindical

Luis Sergio Lopes lembrou uma conquista importante da CSB em 2013: o índice de representatividade junto ao Ministério do Trabalho. O dirigente reconheceu também as importantes vitórias para os trabalhadores do Rio. “A minha categoria, dos contabilistas, teve a satisfação de ter o seu piso salarial proporcional regulado pela primeira vez. Durante oito anos lutamos para que fosse inserido na legislação estadual o piso dos profissionais de nível superior, e é bom saber que temos isso hoje”, disse o vice-presidente.

Diálogo amplo e aberto

3Para Maria Barbara da Costa, a iniciativa de Pezão de abrir portas para todo o movimento sindical, independente da sigla partidária, é importante para o trabalhador, que necessita de uma representatividade forte na luta da causa trabalhista.

“Acredito que nós, a partir desse momento, teremos outro direcionamento dentro do Estado do Rio de Janeiro. Saber que o governador não se fechará para o movimento sindical simboliza um grande avanço no longo caminho que temos pelos trabalhadores”, reforçou a dirigente.

Luiz Fernando Pezão reconheceu que o diálogo com o movimento sindical não se apresentou como deveria nos últimos sete anos, mas se comprometeu a manter a interlocução aberta. “Eu respeito muito o trabalhador. Nunca deixei de receber nenhum sindicato, de atender nenhuma ligação de dirigente. E tenho certeza de que vamos trabalhar para estreitar os laços e fortalecer o movimento sindical”, enfatizou.

Trabalho e conquistas

O futuro governador expôs projetos da atual gestão nas áreas da saúde, educação, transporte, ambiental, segurança pública e moradia. Pezão reiterou que uma das prioridades do governo é a segurança pública. “A melhora na segurança permitiu que a cidade retomasse o segundo lugar no ranking da economia brasileira e disputasse as empresas estrangeiras que vieram para o Brasil. Precisamos ainda avançar mais, e temos compromissos com essas necessidades”, pontuou.

Ernesto Pereira concorda com o governador e espera que o movimento sindical e o poder público possam caminhar juntos pelos trabalhadores do Estado, melhorando os salários e valorizando também os servidores públicos.

“Espero que a pauta dos trabalhadores do Rio de Janeiro seja atendida pelo governo. É preciso trabalhar na questão da mobilidade urbana com certeza, porque o tempo que os trabalhadores gastam com deslocamento é muito grande, o que provoca um desgaste na qualidade de vida e nos desempenho dos profissionais”, completou o assessor parlamentar da CSB.

PMDB Sindical

Pauta trabalhista

O secretário nacional da juventude da Central afirmou que é fundamental o diálogo e a proximidade do governo com os movimentos sociais organizados. Para Marcelo Gonçalves, esta ação é uma forma de diálogo com a sociedade civil e o movimento sindical, que tem muito a colaborar com as ações do governo em defesa da população e dos trabalhadores.

PMDB Sindical“Pedimos ao governador Pezão que ele continue a manter o saneamento público no Estado, por exemplo, com a manutenção do investimento na Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE), que presta um serviço essencial ao povo”, salientou. “Além disso, a CSB-Rio vai trabalhar para levar ao poder público uma pauta trabalhista ampla e que atenda aos interesses de toda a classe trabalhadora”, concluiu Marcelo Gonçalves.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra