Convergencia-Digital-e1394725595684

Convergência Digital aborda a ilegalidade das demissões dos trabalhadores de TI

Justiça determina que empresas não podem dispensar empregados até o final do dissídio

Nesta terça-feira (11), o Sindpd divulgou uma nota esclarecendo o andamento da Campanha Salarial dos trabalhadores de TI. O assunto também foi abordado pelo site Convergência Digital, que lembrou que a data do julgamento do dissídio ainda não está marcada. A matéria ainda explica que a greve não terminou, apenas está suspensa por solicitação da Justiça.

Confira o texto na íntegra: 

Greve de TI: Sindicato adverte que demissões em SP são ilegais 

Em comunicado aos trabalhadores de Tecnologia da Informação, divulgado nesta terça-feira, 11/03, o Sindicato dos Trabalhadores de São Paulo, informa que a data do julgamento do dissídio ainda não está marcada. Reforça ainda que a greve não terminou, apenas está suspensa para atender solicitação da Justiça. 

O informe revela ainda que o Sindicato dos patrões – Seprosp – entrou com pedido liminar para impedir que o Sindpd suspendesse as homologações. De acordo com o informe, a Justiça determinou que as homologações só fossem feitas em caso de pedidos “inequívocos” de demissão, dispensas ocorridas antes da greve e homologações de integrantes de programas de demissão voluntária.

Segundo ainda o Sindpd, com relação ao “incentivo presente na circular 10/2014 do Seprosp para que as empresas demitam e arquem com os custos de estabilidade que poderão ou não ser determinados pelo TRT”, o sindicato adverte que “isso é irresponsável e ilegal, pois corrompe a legislação brasileira e internacional, ao tentar violar o direito de greve”. 

De acordo ainda com o sindicato dos Trabalhadores, a lei 7.783/89 suspende os contratos de trabalho a partir da eclosão da greve, daí, segundo o informe, estaria a ilegalidade das rescisões. O Sindpd adverte ainda que o pedido do Seprosp foi indeferido judicialmente. E adverte: “Se o empregado vier a ser despedido arbitrariamente, terá direito aos salários até a data do julgamento do dissídio de greve, sem trabalhar. E se o Tribunal fixar estabilidade aos trabalhadores – na greve de 2011 fixou em 90 dias após a data do julgamento -, também sobre este período serão devidos os salários e reflexos; da mesma forma, sem trabalhar. Depois disto é que vêm as verbas rescisórias”.

O Sindpd informa ainda que o Seprosp ingressou com um pedido de interdito proibitório – tentando proibir que houvesse piquetes do sindicato na porta das empresas durante a greve. Mas, de acordo com os trabalhadores, a Justiça indeferiu a liminar, porque na ata de audiência do dissídio de greve o desembargador presidente não vislumbrou qualquer indício de ilegalidade ou de abusividade no movimento grevista.

O Sindpd comunica ainda que o Seprosp alega que os Acordos Coletivos de Trabalho que o Sindpd vem celebrando com as empresas, para o ano de 2014, não têm validade porque “na forma da cláusula 64 da Convenção Coletiva de Trabalho precisam da anuência do Seprosp”. Para o Sindpd, essa informação é ‘mentirosa e equivale a um ato de desespero para quem quer gerar insegurança”. O Sindpd sustenta que, “além de legais, os acordos, que já ultrapassam mais de uma centena, são justos e mostram que o setor pode absorver estes custos, ao contrário do a que intransigência do sindicato patronal alardeia”.

De acordo ainda com Sindpd, a Convenção Coletiva de 2013 – juntamente com a Cláusula 64 – ‘não foi renovada por intransigência do próprio Seprosp. Todos os Acordos Coletivos de Trabalho que o Sindpd vem firmando com as empresas – fundamentado no artigo 611 e seguintes da CLT – estão sendo juntados no processo de Dissídio Coletivo”.

Fonte: Convergência Digital 

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO