Centrais sindicais se reúnem com o Presidente do STF, Dias Toffoli, e discutem soluções para atual crise

O encontro tinha como pauta medidas de proteção aos trabalhadores em meio a pandemia

Desde o primeiro diagnóstico de coronavírus no Brasil, milhares de vidas foram tristemente perdidas e os números de contágios e óbitos apenas crescem. As consequências da pandemia têm sido nefastas, agravando ainda mais as acentuadas crises econômica e política a qual estávamos submetidos. Ao mesmo tempo o Governo Federal agrava ainda mais tais crises ao colocar em prática projetos que retiram direitos dos trabalhadores brasileiros.

Foi essa complexa conjuntura que pautou a videoconferência desta terça-feira (19). A reunião contou com a presença das seis centrais sindicais aferidas – CSB, CTB, Força, Nova Central, UGT e CUT – e foi mediada pelo representante do Dieese, Clemente Ganz Lúcio. Objetivo do encontro era levar ao Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, as principais preocupações dos trabalhadores em meio ao covid-19.

Representando a CSB (Central dos Sindicatos Brasileiro), estava presente Antonio Neto. De acordo com o presidente da central, é necessário que o direito a representação sindical seja mantido para garantir a proteção dos trabalhadores do Brasil. “Nós que somos instrumento de proteção dos trabalhadores estamos excluídos, por decisão do Supremo. Agora estamos lutando para ampliar o número de trabalhadores que tem direito à representação sindical de acordo com a Medida Provisória 936. Os brasileiros que ganham menos de 3135,00, privados da proteção feita pelos sindicatos, são equivalentes a mais de 90% da população economicamente ativa”, disse.

Além disso, Neto fez duras críticas a apoiadores e lideranças ligadas ao Governo Federal. “Eles não respeitam. Nós não fizemos movimento nenhum. Nem no 1º de maio fomos para as ruas. Respeitamos, pois acreditamos que o isolamento social é maneira de abaixarmos a curva de contágios. Eles não fazem isso. Eles nos desrespeitam todo dia. Fazem passeatas com estruturas impecáveis. Quem está custeando tudo isso? ” Foi o questionamento feito por Antonio Neto.

Por fim, Dias Toffoli, ressaltou a necessidade se cobrar o Ministério da Economia para buscar soluções para atenuar os impactos socioeconômicos.

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"