Centrais sindicais e Ministério Público do Trabalho lançam campanha para a redução da jornada de trabalho

O Ato Pró 40 horas aconteceu em Brasília e reuniu deputados e representantes de entidades civis que apoiam o movimento

A CSB e demais centrais sindicais, em parceria com o Ministério Público do Trabalho e setores da sociedade civil organizaram, nesta quarta-feira (4), em Brasília, um ato para o lançamento do “Movimento Pró 40 horas”, que busca apoio dos deputados para  a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais sem redução de salários. Participaram do encontro a CSB, CTB, CSP – CONLUTAS, UGT, NCST, CUT, Força Sindical,  o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Associação Nacional de Magistrados do Trabalho (ANAMATRA), Associação Nacional de Procuradores do Trabalho (ANPT), Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas (ABRAT) e a Associação Latino Americana de Advogados Trabalhistas (ALAL).

O Projeto de Emenda Constitucional 231/95, que reduz a jornada e aumenta o valor do adicional da hora extra de 50% para 75% sobre o valor da hora trabalhada tramita no Congresso Nacional há 19 anos. A jornada normal de trabalho no Brasil é uma das maiores do mundo e vigora desde 1988. A PEC  foi apresentada em 1995 pelos então deputados federais Paulo Paim (PT-RS) e Inácio Arruda (PC do B -CE), ambos atualmente  senadores, que continuam apoiando o movimento pela redução da jornada de trabalho.

O  objetivo da campanha das centrais sindicais é  acelerar a regulamentação da lei, além da realização de um trabalho de conscientização da classe trabalhadora. Para o movimento sindical, uma jornada menor vai gerar mais empregos e mais qualidade de vida. “As longas jornadas de trabalho trazem dificuldades para o convívio social e familiar, e fazem crescer os problemas relacionados à saúde, como estresse, depressão e Lesão por Esforço Repetitivo (LER). Por outro lado, muitas famílias enfrentam situações difíceis, porque aqueles que deveriam estar trabalhando não conseguem emprego”, disse Alvaro Egea, secretário-geral da CSB e representante da entidade no ato. IMG-20140604-WA0000

O dirigente cobrou o apoio de Dilma Rousseff para que o projeto seja aprovado ainda este ano. “A presidenta deve sair de sua zona de conforto e apoiar no Congresso na votação das 40 horas, pois o governo tem maioria  e deve  apoiar esta importante reivindicação dos trabalhadores. Várias categorias já conquistaram as 40 horas em acordos, como é o caso do Sindpd-SP, e isso mostra que é possível sim existir lucro para as empresas e qualidade de vida para os trabalhadores”, avalia Egea. Diretores do Sindpd e o assessor parlamentar da CSB também participaram do evento.

Em 2008, as centrais  sindicais colheram mais de um milhão de assinaturas dos trabalhadores  apoiando  a PEC 231  e entregaram ao Congresso Nacional, mas até agora a Casa mantém o projeto sem votação. O deputado federal  Vicentinho ( PT-SP) é o relator  da PEC na Câmara. No evento, ele declarou que o  relatório está pronto e falta um acordo entre os líderes dos partidos  para colocar em votação.

Para o secretário-geral da CSB, a união das centrais sindicais é um aspecto importante para se alcançar a redução da jornada de trabalho. “Os trabalhadores precisam cobrar os deputados e os senadores para que seja votada a PEC 231. É necessário que haja uma mobilização nacional dos trabalhadores. Nós, do movimento sindical, estamos nos mobilizando”, afirma.

Segundo Antonio Neto, presidente da CSB,  a luta em defesa da redução da jornada de trabalho inaugura uma nova fase, marcada por dois aspectos importantes. “Em primeiro lugar, a absoluta adesão e união das centrais sindicais e, em segundo lugar, um aspecto destacado é que praticamente todas as instituições que defendem o trabalho aderiram ao movimento. Isso demonstra a força do proletariado e a luta brasileira contra a precarização do trabalho”, concluiu.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)