Centrais sindicais definem calendário de luta contra reforma da Previdência

Entidades se reuniram na manhã desta sexta-feira (08), em São Paulo

Em reunião realizada na manhã desta sexta-feira (8), na capital paulista, a Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), juntamente com as demais centrais sindicais, definiram o calendário de luta e mobilização contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, da reforma da Previdência.

Para o presidente da CSB, Antonio Neto, esta é a hora dos movimentos sindicais e dos trabalhadores se unirem para barrar está reforma, que é uma afronta aos brasileiros.

 “O movimento sindical vai utilizar todas as suas forças para barrar mais este crime contra os trabalhadores brasileiros, que é esta reforma da Previdência, que busca penalizar apenas os mais pobres e manter a drenagem de recursos para os grandes empresários, para empresas estrangeiras e para os grandes conglomerados rurais. Exemplo disso é a isenção de R$ 1 trilhão concedidas aos petroleiros. O que eles querem é aumentar a idade da aposentadoria e cortar o salário dos aposentados”, disse Neto.

Com a possibilidade eminente de o governo votar a reforma no próximo dia 18 de dezembro, os dirigentes das Centrais deliberaram plenária do setor dos transportes, na próxima segunda-feira (11), para organização uma provável paralisação para o dia da votação.

Os dirigentes sindicais das seis centrais continuarão realizando campanha corpo a corpo com deputados no Congresso Nacional e nos aeroportos de todo País.

As entidades também julgam importante que os brasileiros expressem sua indignação enviando e-mail para os parlamentares e não votando em deputados e senadores que se posicionam a favor de cortes nos direitos dos trabalhadores.

Com o slogan “Se botar para votar o Brasil vai parar”, as centrais convocarão greve nacional no dia de votação da reforma e estabeleceram o dia 13 de dezembro como Dia Nacional de Luta contra a reforma.

Foi definido a elaboração de panfletos e ações nas redes social, além esclarecimento dos riscos da reforma da previdência com a população.

Além das centrais sindicais, os movimentos sociais e estudantis também estão empenhados pelo não votação da PEC 287.

 

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"