Centrais sindicais debatem mudanças no fator previdenciário no Senado

No encontro com os senadores Renan Calheiros e Paulo Paim, dirigentes sindicais também reivindicaram aprovação do reajuste nas aposentadorias acima de dois salários mínimos

A CSB e as demais centrais sindicais se reuniram com o presidente do Senado, Renan Calheiros, e com senador Paulo Paim para pedir que o veto da presidente Dilma Rousseff à emenda da Medida Provisória 664, que coloca fórmula 85/95 como uma alternativa ao fator previdenciário, seja votado pela Casa somente em agosto. O encontro aconteceu no gabinete da Presidência do Senado, na terça-feira, 30 de junho. No encontro a CSB foi representada por Itamar Kunert, diretor de organização e relações sindicais da CSB, e por Ernesto Pereira, assessor parlamentar da Central.

O movimento sindical tem a intenção de debater com o governo a Medida Provisória 676/15, que institui cálculo progressivo à fórmula 85/95 para concessão de aposentadorias a partir de 2017. Em 2022, a fórmula chegaria a 90/100. A medida foi proposta pela presidenta como alternativa às reivindicações das centrais sindicais para o fim do fator previdenciário.

_MG_2212Segundo Itamar Kunert, as centrais querem que o governo abra espaço para o diálogo com o movimento sindical. “Nós sabemos que precisa haver uma atualização do cálculo 85/95 e que o governo precisa atualizar o orçamento da Previdência, mas queremos que  haja uma negociação. A progressividade apresentada pela MP 676/15 não resolve as contas da Previdência e nem atende às necessidades dos trabalhadores. Precisamos debater e lutar por melhores condições”, disse o dirigente.

O presidente do Senado acatou o pedido das centrais sindicais e garantiu que irá votar o veto da emenda da Medida Provisória 664 somente em agosto.

Os dirigentes das centrais sindicais também reivindicaram que o Senado vote a favor da emenda à Medida Provisória 672/15, que estende os aumentos do salário mínimo aos demais benefícios da Previdência Social  – aposentadorias e pensões – acima desse valor. A Câmara dos deputados aprovou a MP no dia 24 de junho.

Com a Medida Provisória 672/15, os aposentados que recebem mais de um salário mínimo passam a ter os reajustes anuais calculados com base na inflação acumulada do ano anterior ao da data do reajuste (INPC) mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.

De acordo com Kunert, um dos grandes desafios do movimento sindical quanto aos aposentados é reverter a queda do poder de compra de quem se aposentou e a necessidade de ampliar o acesso à saúde. “A valorização das aposentadorias para quem recebe acima de um salário mínimo é necessária e urgente. Atualmente, quem faz parte deste grupo não tem o reajuste calculado da mesma forma que os trabalhadores da ativa. A elevação aplicada para quem ganha mais do que um salário considera apenas o INPC. Isso afeta sensivelmente o poder de compra, já que um índice não acompanha o outro. Para exemplificar, os planos de saúde, nos últimos anos, aumentaram cerca 7,78%, enquanto o INPC-IBGE cresceu 6%. Por isso, é muito importante que o senado a prove a MP e haja a sanção da presidente ”, explicou.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)