Centrais lançam ofensiva contra a intervenção do MPT nos sindicatos

Entidades criticam também a tentativa do Ministério Público do Trabalho de interferir na arrecadação da contribuição assistencial

Em reunião realizada pelas centrais sindicais – CSB, CTB, Nova Central, UGT, Força Sindical, CSP-Conlutas e CGTB ‑, em 11 de setembro, na sede da UGT, as entidades criticaram duramente a ação do Ministério Público do Trabalho (MPT) de interferir na organização dos sindicatos, inclusive nos processos de eleições, convenções trabalhistas e acordos. Além disso, as centrais reiteraram a legalidade da manutenção da assistencial como instrumento de sustentação financeira dos sindicatos. Estas duas pautas são a base de um documento regido pelas entidades para ações junto às instituições de defesa dos trabalhadores.

O secretário-geral da CSB, Alvaro Egea, e o diretor de assuntos trabalhistas, de Saúde e Segurança no Trabalho da Central, Antônio Gervásio Rodrigues, representaram a entidade na reunião e argumentaram que a perseguição do MPT aos sindicatos é feita de maneira generalizada no Brasil.

“O mais grave é que essa perseguição do MPT, ilegal e abusiva, persiste. E agora tem outra conotação, eles estão interferindo no processo eleitoral”, explica Alvaro Egea. Para o secretário-geral, o Ministério Público do Trabalho deixa de ser um órgão de repressão dos grandes fraudadores da relação do trabalho ‑ as grandes empresas e os grandes grupos econômicos ‑, para perseguir os sindicatos dos trabalhadores.

“Devemos trabalhar para formular uma nova denúncia contra o MPT na OIT [Organização Internacional do Trabalho], porque, depois de 2009, intensificou-se a perseguição aos sindicatos, interferindo de forma abusiva e ilegal nas eleições sindicais e contribuindo para enfraquecer essas entidades, na medida em que o Ministério atua de forma organizada – em nível nacional – para impedir que os sindicatos legitimamente recebam as contribuições deliberadas em assembleias”, contesta o secretário.

Tentativa de cerceamento

Em 2009, a CSB foi a Genebra, junto com outras centrais, para fazer uma representação na OIT contra a interferência abusiva do MPT nos sindicatos. Segundo Alvaro Egea, é necessário fazer novamente essa denúncia contra o que ele considera uma postura fascista do órgão.

“Só os sindicatos representam e protegem os trabalhadores. Querem implantar a pluralidade estacionando financeiramente os sindicatos, contra a contribuição e unicidade sindical. Isso é inconstitucional. Estão querendo rasgar a Constituição ao aceitar essas iniciativas”, sentencia.

Egea lembra que sindicatos fortes são a garantia da representatividade firme da classe trabalhadora. “Quem vai representar os não associados, que são cerca de 80% dos trabalhadores, se não existir um sindicato?”, questiona. Para o secretário, o MPT está extrapolando suas competências, praticando a destruição do movimento sindical. “Não é um órgão a serviço da classe trabalhadora, é um órgão do Estado que está perseguindo os trabalhadores e a serviço do capital e dos grandes conglomerados empresariais”, completa.

Ação conjunta

O documento redigido pelas centrais é o símbolo de uma união importante entre entidades que pretendem defender os trabalhadores. O Ministério Público do Trabalho é incoerente, trabalha para que o trabalhador não contribua com os sindicatos, e, ao mesmo tempo, exige que quem não contribui participe das votações nos sindicatos.

A CSB considera essa interferência uma espécie de ditadura sob o manto de uma legalidade que não existe. “A unidade entre as centrais é fundamental. Precisamos ter o foco de afastar o MPT dessas interferências indevidas. Somos contra o esfacelamento do direito de greve”, pontua Alvaro Egea, afirmando que o MPT é um órgão financiado pela sociedade que está agindo contra os trabalhadores.

As centrais iniciarão uma série de ações e articulações junto ao Ministério Público do Trabalho, ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), além do poder executivo e do Congresso Nacional. “Vamos trabalhar a questão de uma representação na OIT novamente também, porque estamos voltando ao tempo da ditadura com essa ação do MPT. O órgão está prestando um desserviço ao País. Faremos as audiências que forem necessárias para defender os interesses dos sindicatos e dos trabalhadores brasileiros”, finaliza o secretário-geral da CSB.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)