Após reunião, centrais continuam mobilizadas contra a reforma da Previdência

Entidades se mostram unidas e determinadas a manter estado de greve e atos públicos contra a PEC 287

Reunidas nesta quinta-feira (14) em São Paulo, a CSB e as demais centrais sindicais decidiram manter o estado de greve em todo o Brasil contra a PEC 287, da reforma da Previdência. Com o lema “Se colocar para votar, o Brasil vai parar”, as entidades estão dispostas a unificar todos os trabalhadores em torno desta bandeira, com o objetivo de derrubar a reforma na Câmara dos Deputados.

Igor Tiago Pereira, presidente da CSB SP, representou a Central no encontro e disse que o sentimento dos dirigentes é de enfrentamento contra os retrocessos na aposentadoria dos brasileiros.

“Vamos manter o estado de alerta para a greve. Tanto no transporte, como nas demais categorias está decidido: se colocar para votar, vamos parar o Brasil”, destacou o dirigente

Nesta quinta-feira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (PMDB-RJ), divulgou que a votação da PEC acontecerá em 19 de fevereiro de 2018. Na quarta (13), o líder do governo no senado, Romero Jucá, já havia revelado o adiamento da votação. Saiba mais.

Independentemente da data, as centrais permanecem engajadas e continuarão a intensificar as mobilizações e os atos Brasil afora para alertar e conscientizar a sociedade sobre a ameaça à aposentadoria e à previdência pública do País. Além das manifestações, o corpo a corpo com os deputados será reforçado nos aeroportos e nas bases eleitorais dos paramentares.

Leia a nota das centrais divulgada nesta quinta-feira:

Reforma da Previdência
Centrais Sindicais: se colocar para votar, o Brasil vai parar!

Reunidos na sede da CUT para avaliar as mobilizações contra a Reforma da Previdência e encaminhar a continuidade das ações, representantes de todas as Centrais Sindicais ratificaram o seguinte:

 

  1. MANTER o estado de greve em todo o Brasil.

 

  1. UNIFICAR todos os trabalhadores em torno da decisão: SE COLOCAR PARA VOTAR, O BRASIL VAI PARAR!

 

  1. REFORÇAR a pressão sobre os deputados nos aeroportos, bases eleitorais, gabinetes e quaisquer locais públicos onde eles se apresentem.

 

  1. INTENSIFICAR os atos públicos e as mobilizações das categorias para conscientizar e trazer os trabalhadores e a sociedade para a luta contra a Reforma da Previdência.

As Centrais Sindicais reiteram sua unidade e orientam os trabalhadores e trabalhadoras a continuarem em estado de alerta para impedir a votação desta Reforma, contrária aos interesses de todo o povo brasileiro.

 

SE COLOCAR PARA VOTAR, O BRASIL VAI PARAR!

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)