Antonio Neto: big techs contra PL das fake news mostram reais intenções

Big techs contra PL das fake news – As big techs não estão nem aí com as consequências de seus algoritmos que estimulam ódio, violência, crimes ou a liquidação da honra das pessoas atingidas por fake news. A preocupação é o lucro.

Essa indústria da maldade virtual remunera muito bem essas empresas. Não é preciso ser um especialista em redes sociais para saber que o engajamento em ações destrutivas é muito maior que o engajamento em publicações construtivas. Ou seja, é lucro. Lucro acima de vidas.

Hoje já vivemos uma “ditadura” das big techs. Não há instabilidade que explique posts derrubados na base do algoritmo. Posts com certas hashtags ou palavras-chave são silenciados. O abuso econômico é evidente. Ou vocês acham que um post que vá contra os interesses da Meta ou do Google terá o mesmo alcance que um post de interesse das big techs?!

O PL 2630 está muito equilibrado. Ele é pautado pela soberania digital e por valores democráticos. Não há censura ou construção de uma “verdade”. Apenas valida um conceito que deve ser básico: o que não pode no mundo real, não pode no virtual.

Relembro um texto que publiquei no início do ano por aqui:

Na nossa Constituição não há nada comparável com a Primeira Emenda da Constituição norte-americana. Nós adotamos o modelo alemão de democracia combativa. Ou seja, a nossa Carta Magna possuí mecanismos próprios de auto-defesa para proteger a democracia de uma interpretação autoritária da liberdade de expressão.

Relembro a frase de Lacordaire “entre senhor e servo é a liberdade que oprime e a lei que liberta”. Pode se discutir algumas decisões da Suprema Corte no inquérito dos atos antidemocráticos, mas não o objetivo: a defesa da democracia.

A teoria da Democracia Militante, de Karl Loewenstein, surge pós o Nazismo. Entre as ações práticas produzidas está a criminalização do nazismo e da negação do holocausto. Medidas que a Constituição Norte-americana jamais admitiriam por causa da primeira emenda.

Nos EUA, admite-se marchas de supremacistas raciais nas ruas. No Brasil, não! Quer dizer que os brasileiros possuem menos democracia que os americanos? Definitivamente não!

Discurso de ódio, ideias supremacistas e ataques ao Estado Democrático de Direito não podem ser consideradas liberdades individuais, pois elas ofendem diretamente as liberdades coletivas.

Como qualquer democracia, a nossa Constituição possui limitações, mas não permite a ela traição.

Antonio Neto, presidente da CSB

Leia também: Governo cria grupo para discutir regras do trabalho em aplicativos; CSB participa

Compartilhe:

Leia mais
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores
Sindpd=SP ganha premio no Sindimais
Projeto do Sindpd-SP vence prêmio de Inovação no SindiMais 2024