Audiência do Senado debate impactos das reformas trabalhista e da Previdência

Vice-presidente Flávio Werneck criticou a imoralidade da Lei 13.467/17 durante seu discurso

O real impacto das reformas trabalhista e previdenciária pautou a audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) no Senado Federal, realizada nesta segunda-feira (28). A CSB foi representada pelo vice-presidente Flávio Werneck.

Em discurso, o dirigente afirmou que o Brasil vive em um paradoxo entre o legal e o moral. “Se eu tenho já recuperado R$ 4 bilhões só do que devolveram para a [Operação] Lava Jato e um prejuízo estimado em R$ 250 bilhões, com que cara de pau, e essa é a palavra, eu vou impor uma reforma da Previdência? Sendo que eu quero colocar um Refis para as pessoas deixarem de pagar quase R$ 500 milhões que estão devendo de contribuição previdenciária. Pode ser legal o Refis? É legal, mas é imoral”, analisou.

“A reforma trabalhista, sem consulta aos trabalhadores, feita por meia dúzia de pessoas na avenida Paulista [em São Paulo], é imoral.  Não houve participação da população brasileira. A manutenção dos valores dos sindicatos patronais em detrimento dos sindicatos dos trabalhadores é imoral, desnivela algo que já era pouco nivelado no País, que era o debate entre patrão e o trabalhador”, continuou.

O vice-presidente afirmou ainda que é preciso continuar na luta contra a retirada de diretos em todos os espaços. “É a responsabilidade de cada brasileiro, de cada um de nós, em colocar a situação e ir para uma briga, para a rua, se necessário, e demonstrar a insatisfação por não estar participando de nada disso”, convocou.

O coordenador Adjunto do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), Clóvis Scherer, elencou os quatro piores pontos da reforma trabalhista. “Condições de trabalho deterioradas, negociações coletivas enfraquecidas, organização sindical debilitada e, somando-se, uma dificuldade maior para o trabalhador ter acesso à Justiça do Trabalho, poder reclamar seus direitos. O que isso vai resultar? Vai resultar em um mercado de trabalho enfraquecido”, pontuou.

Na avaliação do senador e presidente da sessão, Paulo Paim (PT-RS), os projetos do governo foram desenhados para a elite e não para o povo. “A reforma trabalhista foi para atender o grande empresariado, isso eles já fizeram. Agora eles querem fazer a reforma da Previdência para atender aos banqueiros, que é a privatização da Previdência”, condenou.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)