Antonio Neto apresenta a CSB no 3º Congresso Internacional de Direito Sindical

Evento realizado em Fortaleza debate democracia para as relações sindicais e a experiência brasileira do direito sindical

Hoje, 7 de maio, no segundo dia do 3º Congresso Internacional de Direito Sindical, realizado na Universidade Federal do Ceará (UFC), o presidente Antonio Neto palestrou sobre a história de fundação e a atuação da CSB na defesa dos trabalhadores e do Brasil.

Em sua exposição, Neto apresentou o processo de reorganização da Central, que se reestruturou em fevereiro de 2012 durante o Congresso da Entidade em Guarulhos (SP), e hoje contempla 497 sindicatos filiados em sua base, 29 federações e 122 entidades em processo de registro no Ministério do Trabalho e Emprego.

Aj67l9lTxOIskcJ46gNX0wkLKNwC6X8ThmfTQg9bQVaCO presidente destacou a conquista da aferição, obtida em 2013, e publicada no Diário Oficial da União em janeiro de 2015, com 7,43% de representatividade. Nesse aspecto, Neto explicou o processo de construção da força da CSB sem o respaldo financeiro já conquistado por outras centrais.

“Nós tivemos todo esse crescimento de 35 para quase 500 sindicatos sem ter tido acesso aos recursos da aferição. E as demais centrais, desde 2008, já estavam com recursos pra se organizarem pelo Brasil. Isso mostra o quanto sempre estivemos comprometidos com a classe trabalhadora”, afirmou Neto.

Trabalhismo

Segundo o presidente, este princípio advém do caráter nacionalista da CSB, baseado no trabalhismo de Getúlio Vargas. “Ou seja, no nacional desenvolvimentismo. E, com isso, nós temos vários outros princípios: defesa da soberania nacional, da nação que pertence, antes de tudo, aos seus trabalhadores; defesa do desenvolvimento econômico, político e social, que corrige as injustiças sociais, estabelecendo condições dignas de vida à população brasileira. Somos contra a terceirização e a privatização dos nossos recursos públicos”, explicou. “Somos pela reforma agrária e por uma política agrícola que tenha sustentação técnica e agrícola no campo, para formação, e nos assentamentos”, completou.

A CSB é pautada pela unicidade sindical e a consciência de classe. “Nós sabemos de qual lado do balcão nós estamos, quem representamos e o que somos. Defendemos o sistema confederativo, sindicato, federações, confederações, além do sistema de custeio, a contribuição compulsória, a contribuição sindical, base única de sustentação das unidades sindicais na defesa da classe operária”, declarou o dirigente, destacando ainda a liberdade e autonomia dos trabalhadores de valorização das suas entidades, denunciando e combatendo todas as práticas e ações abusivas.

AsJzC8o2Zgnz--wUtLTPHr4buMAGCZNDRrH9wGoF2AgE

Na apresentação, o dirigente ressaltou o caráter abrangente das categorias que foram a base da Entidade, que está representada em todo o Brasil por dirigentes das mais diferentes categorias, abrangendo empregados (27%), profissionais liberais (22,15%), servidores públicos (16,24%), categorias diferenciadas (16,03%), trabalhadores avulsos (9,92%), rurais (4,85%), autônomos (3,59%) e empregados e avulsos (0,21%).

Atuação da CSB

Antonio Neto levantou também questões que estão em evidência no cenário político nacional e que fazem parte das últimas ações da CSB. Na palestra, o presidente evidenciou o que chamou de hipocrisia de alguns setores da sociedade, e até mesmo do movimento sindical, que tentaram encobrir os efeitos das Medidas Provisórias 664 e 665 com o Projeto de Lei 4.330/2004, que regulamenta a prestação de serviço especializado. Segundo o dirigente, estes setores tentam se esquivar de combater as MPs que tiram direitos trabalhistas e estão em tramitação no Congresso Nacional.

2“Aqueles que demonizaram a 4330, ontem [6 de maio] votaram quase totalmente contra o direito dos trabalhadores. Não dá para fazer um discurso para fora, e lá dentro do Congresso votar contra os trabalhadores”, criticou Neto.

Sobre o PL, o presidente explicou que a proposta visa regulamentar o trabalho de 13 milhões de trabalhadores do Brasil que atuam sem uma legislação específica que os proteja. “Vamos tentar melhorar a questão da atividade-meio e atividade-fim dentro das empresas. Tiramos inclusive as empresas estatais do Projeto e dissemos à presidente Dilma que o governo quer agora reincluir as estatais e as empresas mistas na lei novamente”, ponderou.

Defesa dos trabalhadores

O palestrante afirmou que a defesa dos trabalhadores só pode ser feita com o fortalecimento dos sindicatos. Esta força representa estratégia fundamental para a conquista de mais direitos. “Se pra qualquer coisa você precisa do sindicato, então temos que fortalecê-lo. Investimos muito na formação e qualificação dos nossos dirigentes, seja na negociação, na formação política, com esse viés trabalhista que nós conseguimos”, pontuou. “Nosso lema é mobilizar, negociar e conquistar”, finalizou Antonio Neto.

Debates

A programação do 3º Congresso Internacional de Direito Sindical continua amanhã, dia 8 de maio. Confira a agenda:

EIXO 2 – GARANTIAS DA DEMOCRACIA SINDICAL

08h30min – Palestra – Garantias Processuais

  • Coordenador de Mesa: Francisco Gérson Marques de Lima (Procurador Regional do Trabalho – MPT/CE, Coordenador Nacional da Conalis).
  • Palestrantes: Aloísio Aldo da Silva Júnior (Subprocurador, PGT – Procuradoria Geral do Trabalho) Cesar Augusto de Mello (Advogado/SP, Representante da Comsindical).

EIXO 3 – DEMOCRACIA SINDICAL E EXPERIÊNCIA BRASILEIRA

09h35min – Palestra – Estatutos sindicais

  • Coordenador de Mesa: Francisco José Gomes da Silva (Desembargador do TRT-7ª Região).
  • Palestrantes: Francisco Gérson Marques de Lima (Procurador Regional do Trabalho – MPT/CE, Coordenador Nacional da Conalis); Zilmara Alencar (Advogada/DF) 10h40min – Palestra – Eleições sindicais.
  • Coordenadora de Mesa: Lorena Camaroti (Procuradora do Trabalho – MPT/CE).
  • Palestrantes: Richard Wilson Jambery (Juiz do Trabalho/SP); Clóvis Renato Costa Farias (Advogado/CE) 11h45min – Intervalo – Tempo livre para almoço 13h45min – Palestra – Democracia: assembleias e processos decisórios nos sindicatos.
  • Coordenador de Mesa: Elizeu Rodrigues (Sindicalista, Representante da Fetrace).
  • Palestrantes: Antonio Carlos Chagas (Advogado/CE); Eliana Ferreira (Advogada/SP) 14h50min – Mesa Redonda – Gestão e administração democrática sindical.
  • Coordenador de Mesa: Francisco Gérson Marques de Lima (Procurador Regional do Trabalho – MPT/CE, Coordenador Nacional da Conalis).
  • Palestrantes: Representantes das Centrais Sindicais (CUT, UGT, Força Sindical, NCST, CTB, CSB, CSP-Conlutas).

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"