Antonia Trindade, do Sindicato dos Enfermeiros do Pará, assumirá vice-presidência da CSB

Neto recebe a visita da diretoria e debate apoio na luta pela redução da jornada de trabalho da categoria para 30 horas

O presidente da CSB, Antonio Neto, recebeu em São Paulo a visita de Antonia Trindade Valente dos Santos, presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Pará (SENPA), e das diretoras Maria Iracilda Alves Pinheiro (Saúde) e Lucia de Fátima (Tesouraria), para debater as necessidades da categoria. Na ocasião, Antonia também foi nomeada vice-presidente nacional da Central dos Sindicatos Brasileiros.

O SENPA filiou-se recentemente à CSB. “A nossa filiação ocorreu por causa da afinidade com nas propostas da Central. A CSB está disposta a lutar junto conosco pelas 30 horas para a enfermagem. Quando conversei com o presidente Neto, ele aceitou vestir a camisa no enfretamento político que será necessário para alcançarmos essa conquista”, disse a presidente do Sindicato.

Para Antonia, algumas centrais não se preocupam em discutir saúde e melhorias nas condições de trabalho para os profissionais da enfermagem. “A CSB é uma central que está iniciando agora, não está cheia de vícios e quer aderir à luta. Sem saúde ninguém vive. Precisamos debater as melhorias para os profissionais da área”, afirma. A sindicalista tem como objetivo mobilizar a Central em nível nacional na luta pela saúde de qualidade, além de envolver os sindicatos filiados à CSB para a construção de um Brasil mais justo.

Redução da jornada de trabalho

A CSB defende a redução da jornada dos enfermeiros, de 40 horas para 30 horas semanais. A enfermagem brasileira luta para aprovar o Projeto de Lei do Senado 2.295/2000, mais conhecido como “PL 30 Horas”, que estabelece esta jornada como a máxima para os enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem. Essa carga horária é a recomenda pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) para profissionais da área da saúde.

Segundo Antonia, o processo de trabalho na área da saúde pode ser muitas vezes repleto de tensões e contribuir para a precariedade das condições de trabalho e sobrecarga dos trabalhadores, o que contribui para o aumento de falhas e afastamentos. “A redução na jornada de trabalho é só o começo. É necessário que os governos olhem de uma forma mais cuidadosa para os profissionais que cuidam da saúde e bem-estar social. Os trabalhadores são o alicerce de uma política social eficaz”, argumenta.

Antonio Neto, presidente da CSB, reafirma o compromisso da Central de lutar para a redução da jornada de trabalho dos enfermeiros e pela melhoria das políticas voltadas para a saúde nacional. “Devemos olhar e cuidar daqueles que cuidam da sociedade. A redução da jornada de trabalho não é uma perda para os hospitais ou pacientes, pelo contrário, é uma forma de garantir a qualidade do trabalho e o bem-estar dos profissionais, que podem prestar um serviço ainda melhor para a população”, disse o dirigente.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)