América Latina elevou 50 milhões à classe média, diz Banco Mundial

Estudo credita o feito ao rápido crescimento econômico e ao aumento das políticas sociais

O Banco Mundial divulgou nesta terça-feira um estudo em que diz que 50 milhões de pessoas ascenderam à classe média na América Latina durante a última década. Assim, essa faixa rivaliza em números pela primeira vez com os pobres na região.

Além disso, o crescimento na renda dos latinos criou uma classe chamada de “vulnerável”, na qual cada pessoa vive com entre US$ 4 (R$ 8,24) e US$ 10 (R$ 20,62) por dia.

“Enquanto a pobreza diminuía e a classe média aumentava, a maior parte das famílias da América Latina se situou num estado vulnerável”, disse o Banco Mundial em relatório. 38% dos latinos se encontram nessa classe econômica.

A classe média, para o Banco Mundial, é composta por famílias que possuem estabilidade econômica e que têm chances menores do que 10% de cair novamente na pobreza. Elas vivem diariamente com valores entre US$ 10 (R$ 20,62) e US$ 50 (R$ 103,11) por pessoa.

De acordo com o estudo, 30% da população está nessa faixa. A porcentagem é a mesma de pessoas que são consideradas pobres na região. O dado indica que a América Latina está conseguindo, aos poucos, reduzir a desigualdade social.

Ao menos 40% dos latinos conseguiu subir de classe econômica entre 1995 e 2010. O estudo cita o exemplo dos governos de Lula no Brasil (2002-2010), que tiraram 30 milhões de pessoas da pobreza.

Ressalvas

A América Latina é, segundo o Banco Mundial, a única região do mundo cuja desigualdade está em decadência. Mesmo assim, a divisão entre ricos e pobres ainda é mais alta do que na maioria dos países desenvolvidos.

A questão que ainda deve ser resolvida é se o sucesso da América Latina no combate à pobreza se manterá numa época em que a economia mundial está desacelerando.

O Banco diz que ainda é incerto que a ascensão da classe média crie uma sociedade mais igualitária.

Na região, a classe média tradicionalmente prefere os serviços privados na educação e na saúde, abandonando o setor público, que, sem melhorias, fica restrito ao uso dos mais pobres.

Fonte: Folha de São Paulo

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"