14522794_865561306907326_3854677626750899571_n

Agentes penitenciários paralisam as atividades no DF

Servidores reivindicam o reajuste salarial que deveria ter sido incorporado aos salários ainda em 2015

Os agentes penitenciários do Distrito Federal paralisaram as atividades desde o dia 11 de outubro. A categoria reivindica o reajuste salarial que deveria ter sido incorporado aos vencimentos ainda em 2015, mas acabou adiado por falta de recursos. O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) já sinalizou que não irá cumprir com o compromisso do reajuste. Além disso, também haverá atrasos no pagamento do 13º salário para todos os servidores do DF.

O Sindicato dos Agentes de Atividades Penitenciárias do Distrito Federal (Sindpen-DF) informa que com a greve dos agentes estão suspensas as seguintes atividades dentro do sistema prisional:  recebimento de advogados e oficiais de justiça, escoltas judiciais e recebimento de visitas.

De acordo com Leandro Allan Vieira, presidente do Sindpen-DF e vice-presidente da CSB, essa paralisação é um aviso. No dia 17, a categoria se reuniu e decidiu que irá manter a paralisação por tempo indeterminado. “Esperamos que o pagamento do reajuste caia até o fim do mês, porque estão fazendo um terrorismo contra a gente. O reajuste foi aprovado e acertado em 2013, e caso o atual governo não pague, haverá uma greve geral dos servidores”, disse Vieira.

O dirigente afirma que a posição do governo causa muita indignação. “O governador não negociou com os servidores ou com os sindicatos. Também não se propôs a cumprir pautas que não envolvem recursos financeiros. Isso é um completo descaso com os servidores” afirma o presidente do Sindpen-DF .

O retrocesso no aumento dos salários irá atingir cerca de 150 mil trabalhadores de acordo com o Sindicato. “Essa ação do governo do DF afeta diretamente a economia de Brasília, pois muitos trabalhadores comprometeram as suas rendas contando com esse reajuste. Além disso, o consumo e a movimentação da economia local devem diminuir e muito, porque com salários achatados ninguém compra”, afirmou o dirigente.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra