Agentes de saúde lutam por valorização profissional durante ato em Brasília

Trabalhadores defendem a aprovação no Congresso Nacional de projeto que fixa regras de renumeração para agentes de saúde e de combate à endemia

Mais de quatro mil agentes de saúde saíram às ruas de Brasília para lutar pela valorização da categoria. Nesta quarta-feira (16), a caravana acompanhou a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 22/11), que prevê regras para a remuneração dos agentes comunitários de saúde e dos agentes de combate às endemias.

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados (CCJ) validou o texto de forma simbólica e unânime no auditório Nereu Ramos. A matéria sugere piso salarial de R$ 1.600 para jornada de 40 horas semanais. A decisão ainda passará pelo Plenário da Casa.

Na avaliação da secretária-geral da Federação Goiana dos Agentes Comunitários de Saúde (Fegacs), diretora da Confederação Nacional dos Agentes de Saúde (CONACS)  e secretária de Saúde e Segurança da CSB em Goiás, Erica Oliveira de Araujo, a aprovação foi uma conquista. “É uma luta de grande valia para nós porque há quatro anos temos o piso congelado, o salário está quase se igualando ao mínimo. Essa luta foi uma vitória, momento de muita emoção”, comemorou.

Após o resultado, os dirigentes das entidades da categoria foram recebidos pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. “Ele nos ouviu, ouviu os parlamentares e se comprometeu a fazer uma interlocução com o governo para votar a PEC 22 o mais rápido possível”, informou a assessora jurídica da Fegacs, Elane Alves de Almeida.

O presidente do Sindicato Estadual dos Agentes Comunitários de Saúde e Combate às Endemias do Piauí (Sindeacs-PI), Francisco Oliveira da Silva, afirmou que a caravana voltará em breve a Brasília para o corpo a corpo com os deputados na busca pela aprovação no Plenário.

Ministro da Saúde

Os presentes ainda fizeram um ato de repúdio à declaração do Ministro da Saúde, Ricardo Barros, em frente ao Ministério da Saúde. Em discurso, ele defendeu a reforma do Programa Nacional da Atenção Básica (PNAB) ao dizer que os cargos de agentes comunitários de saúde e de agentes de combate às endemias deveriam ser unificados. Salientou ainda que a categoria deve negociar salário com a prefeitura, e não com o governo federal.

Erica Oliveira discorda do posicionamento do ministro e reforça que a prevenção é a melhor maneira de diminuir despesas. “Se hoje a gente visita um paciente, orienta, ele evita uma pressão alta, ele evita um derrame, ele evita que venha ter uma diabete”, explicou. Os agentes pediram a saída do representante da pasta.

Compartilhe:

Leia mais
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores