450 trabalhadores rurais entram em greve no interior de SP

Categoria não recebe salário, 13º e não tem FGTS e INSS recolhidos desde dezembro do ano passado

Para protestar contra os atrasos no pagamento de salários e benefícios, cerca de 450 trabalhadores rurais de Flórida Paulista, Tupã, Adamantina, Parapuã e Valparaíso (SP) entraram em greve na última terça-feira (15/03). Segundo o 1º secretário dos Trabalhadores Rurais da CSB e presidente do Sindicato dos Empregados Rurais de Tupã (SER-Tupã/SP), Paulo Oyamada, a categoria não recebe salário e 13º desde dezembro de 2015.

Ainda de acordo com o dirigente, um dos principais empecilhos para o atendimento das reivindicações dos trabalhadores é a falta de compromisso por parte da empresa empregadora. “Há muitos anos eles atrasam os salários. A gente senta na mesa para fazer um acordo e eles não cumprem com o negociado. O pessoal está trabalhando sem receber nada, inclusive há trabalhadores sem registro na carteira, como se realizassem um trabalho escravo”, relata Oyamada.

Além do não recebimento na folha, a categoria tem outros direitos garantidos pela Constituição de 1988 ameaçados com o não recolhimento ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). De acordo com o 1º secretário dos Trabalhadores Rurais da CSB, o empregador também chegou a demitir 200 trabalhadores em dezembro, sem quitar nenhum direito ou benefício previstos em lei, o que levou a uma ação contra a empresa no Ministério Público do Trabalho (MPT).

“Nós já fomos em uma audiência no MPT para tomar as devidas providências e saber o que podemos fazer para resolver esse problema”, explica Oyamada. O descaso com a categoria ainda levou a paralisações em frente aos portões da empresa nos dias 15 e 18 de março, quando cerca de 150 trabalhadores se manifestaram com faixas. Segundo o presidente do SER-Tupã/SP, as mobilizações e a greve são por tempo indeterminado.

“Enquanto eles não acertarem, a paralisação vai continuar. Nas últimas reuniões com o patronato, a Diretoria Executiva da CSB já falou à empresa que, caso a situação dos trabalhadores não seja regularizada até dia 21 de março, a partir de terça-feira (22/03) vamos mobilizar os trabalhadores e não deixaremos ninguém e nenhuma commodity entrar ou sair da empresa”, assegura o dirigente.

Estão à frente da mobilização a CSB, o Sindicato dos Empregados Rurais de Tupã, o Sindicato dos Trabalhadores e Empregados Rurais de Flórida Paulista, Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Adamantina e o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Parapuã.

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"