CSB reúne líderes sindicais de diversos países para seminário da Federação Sindical Mundial

A sede da CSB em São Paulo recebeu nesta segunda-feira (4) sindicalistas de todo o mundo para um seminário da Federação Sindical Mundial (FSM), com a presença do secretário-geral da entidade, Pambis Kyritsis.

Além da CSB, representaram o sindicalismo brasileiro a CTB, a NCST, a Intersindical e a CSPB, que também são filiados à FSM. O seminário tinha o objetivo de oferecer uma perspectiva de local para um problema mundial: a crise no capitalismo e seus impactos na vida dos trabalhadores e na organização sindical.

O presidente da CSB, Antonio Neto, abriu o evento ressaltando que os trabalhadores brasileiros vivem um momento de reconstrução após anos de perdas de direitos e precarização do mercado de trabalho.

“Foi devido à luta dos trabalhadores que conseguimos derrotar o fascismo que dominou nosso país especialmente no último governo. Como sempre digo, nós apenas fechamos a porta do inferno. Agora estamos lutando para desfazer os retrocessos que sofremos desde a Reforma Trabalhista.

Seminário da FSM na CSB em São Paulo

O presidente da CTB, Adilson Araújo, e Kyritsis chamaram a atenção para a tragédia humanitária que ocorre em Gaza e como é a classe trabalhadora em todo o mundo que tem se erguido contra o genocídio do povo palestino.

“Temos orgulho que milhões de trabalhadores em dezenas de países estão se mobilizando com as bandeiras da FSM em solidariedade com o povo palestino. Lamento dizer que dentro do movimento sindical mundial não é todo mundo que pode se sentir orgulhoso. Infelizmente, alguns perderam a voz e estão em silêncio diante deste crime”, afirmou o líder da FSM.

Kyritsis também falou sobre como a crise no capitalismo tem intensificado as desigualdades sociais e levado a ataques às liberdades democráticas e sindicais.

“O ataque neoliberal pode variar em intensidade e gravidade de um país para o outro, mas geralmente é semelhante e traços em comum. O custo de vida alto e a inflação estão prejudicando brutalmente o padrão de vida dos trabalhadores e aposentados. Privatizações, terceirização, trabalho remoto e contratação de serviços são apenas algumas das formas deste ataque neoliberal”, apontou.

Pela CSB, compareceram ainda o presidente da seccional de São Paulo, Igor Tiago Pereira, o secretário de Mobilização, Paulo de Oliveira e a presidente da CSB Mulher, Antonieta de Faria.

O evento seguiu até o final da tarde, dando a oportunidade para que todos que quisessem pudessem expor suas ideias sobre o fortalecimento da luta dos trabalhadores e sua avaliação sobre o cenário enfrentado pela classe trabalhadora internacionalmente.

Os sindicalistas concordaram que a crise no capitalismo, ao contrário do que se pode pensar, torna a luta de classes ainda mais relevante e urgente, uma vez que os trabalhadores são os primeiros a pagar o preço pela crise no sistema que cada vez mais concentra renda e poder na mão de cada vez menos pessoas.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)