Captura-de-tela-14-07-2021-14.05.09

Unidade precisa ser ampla, geral e irrestrita, escreve Antonio Neto

publicado originalmente em Poder 360

 

ato do dia 12 de setembro representa o recomeço de uma “velha” política. Falo velha pois já houve um tempo em que fazer frente junto aos “não-comuns” não era considerado exógeno ao fazer político. Pelo contrário. Desde a fundação do nosso Brasil moderno, fazer política com o contraditório é considerado algo não só comum mas necessário para enfrentar, democraticamente, os desafios dos nossos diferentes “Brasis”.

Compor em nome de um objetivo maior historicamente é o que fez e faz o nosso Brasil singular em suas mais variadas interpretações. Essa é a nossa gênese mestiça, independente dos revisionismos preguiçosos do “nós contra eles”. Desafio qualquer um, na esquerda e na direita, a citar apenas UM governo que prosperou, até mesmo os que muitas dessas pessoas apoiam, sem contar com uma ampla frente que levasse consigo alianças entre diferentes e até entre opostos em torno de interesses comuns.

O ato do último domingo (12.set.21) representa o começo de uma unidade que só pôde ser vista há quase 40 anos, nas Diretas Já. O inimigo era o mesmo, o fascismo. Aqueles que não só não foram como boicotaram duramente, fazendo coro junto aos apoiadores do presidente da República para que as manifestações fossem interpretadas como um fracasso –pois não conseguimos botar os 100 mil que ele botou, com dinheiro público, nas ruas– erraram feio.

A importância histórica do dia 12 não se conta por imagens aéreas, mas sim pela densidade política e pelo amplo leque de lideranças dos mais diversos partidos que marcaram presença na Avenida Paulista, do PSL ao PCdoB, do DEM ao PSOL, do PSDB ao PDT. Todos exigindo o fim desse governo incompetente, corrupto e genocida, responsável por grande parte das quase 600 mil mortes de brasileiros na pandemia.

Assim como foram também expressivos os atos organizados pela Campanha Nacional Fora Bolsonaro neste ano, com todos os partidos de esquerda e movimentos sociais, nos quais também estive presente como presidente da CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros) e ao lado da Juventude Socialista do PDT.

O que aconteceu no dia 7 de setembro foi muito grave. A preparação para o golpe está em curso –e continua em curso apesar da aparente e mentirosa conciliação, até que venha o próximo ataque à democracia. Nós não podemos agora, com olhares eleitoreiros, nos dar ao luxo de não nos unirmos com toda e qualquer força política que deseje o fim deste período de trevas para a história da República brasileira.

Nesta 4ª-feira (15.set.2021), importantes passos foram dados nesse sentido, como a reunião em Brasília de 9 partidos (PDT, PT, PSOL, PC do B, PSB, Rede, PV, Cidadania e Solidariedade), que fecharam acordo pela convocação unificada de novos atos para os dias 2 de outubro e 15 de novembro, para os quais os movimentos e lideranças políticas que foram às ruas no dia 12 serão convidados.

Nessa data, em que se comemora do Dia Internacional da Democracia, também foi promovido um ato pelo grupo Direitos Já!, que reúne nomes de 18 siglas, do qual participei ao lado de representantes do mais amplo espectro político, para somar forças na luta pelo impeachment de Bolsonaro.

Para isso, além da pressão popular nas ruas, precisamos de 342 votos na Câmara dos Deputados. A questão é matemática, pura e simples. Só com a esquerda, será impossível derrubar Bolsonaro. As diferenças entre nós deverão, sim, ser debatidas na hora certa, em eleições e dentro dos mecanismos que regulam o funcionamento das instituições e do Estado Democrático de Direito. Mas, para disso, precisamos primeiro garantir as eleições e a própria existência da democracia.

É hora de unidade pelo Fora Bolsonaro. Unidade ampla, geral e irrestrita. Nada é mais importante e urgente do que isso. Todo e qualquer projeto não terá a possibilidade de se colocar na disputa eleitoral pela hegemonia sem a queda imediata daquele que prega a ditadura. Mais responsabilidade e menos sectarismo, é disso que o Brasil precisa.

Antonio Neto, 65 anos, é presidente da CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros) e presidente do Diretório Municipal do PDT de São Paulo. Ajudou a fundar o Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados de São Paulo em 1984.

Compartilhe:

Leia mais
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores
Sindpd=SP ganha premio no Sindimais
Projeto do Sindpd-SP vence prêmio de Inovação e Transformação Digital no SindiMais
protesto colete feminino vigilantes niteroi
Vigilantes de Niterói iniciam campanha por coletes apropiados para mulheres
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: novas tecnologias podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do PR na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT